TURISMO DE SERRA – O paraíso é aqui, mas nós ainda não vimos

TURISMO DE SERRA – O paraíso é aqui, mas nós ainda não vimos

O encanto do pessoal de Criciúma, na sexta-feira, em relação à nossa região é mais um exemplo de que não estamos sabendo aproveitar muito bem  nossas belezas naturais. Nossa iniciativa privada deve ser mais profissional no Turismo, especialmente investindo aqui o que fatura com o turismo de serra. O poder público tem se preocupado com isso e promove os eventos, como os Jogos Abertos deste ano e agora o Natal felicidade.

Nossos cumprimentos à Fazenda do Boqueirão, que recebeu muito bem o grupo de Criciúma e até abriu uma exceção ao servir o café colonial que nem estava na programação. Da mesma foma, a Pousada Refúgio do Lago, do nosso amigo Domingos Valente que ofereceu mementos agradáveis de diferenciados ao pessoal com um jantar típico que agradou em cheio aos  visitantes.

Não estamos sabendo aproveitar muito bem o que Deus nos deu. Como crescer no turismo, se em São Joaquim e Lages há restaurante que fecha para o almoço e o jantar?! E em Lages que durante os JASCS,  na segunda à noite, estava tudo fechado!… O prefeito Antônio Ceron e o Governo do Estado trouxeram o maior evento esportivo do Estado, mas o povo dos serviços não está sabendo aproveitar isso.

Certa vez eu disse isto: Se Deus demorou sete dias para fazer o mundo, gastou um só aqui. Pense num pedaço bonito do mundo! Até as cidades já estão ficando lindas!

O grande problema da Serra é que tropeçamos nas nossas próprias limitações. Quase todos nós pensamos pequeno. Falta empreendedorismo, ousadia, articulação, vontade de realizar e até de trabalhar.

Já começamos pela classe dirigente. Já estamos chegando ao segundo ano das administrações municipais e eu pergunto: você saberia me dizer o nome do prefeito de cada uma das cidades da Serra? Iria ter dificuldade, eu creio.

Mas não é culpa da mídia, é deles mesmo. Só vivem chorando miséria e esperando que as coisas caiam no seu colo por gravidade. Parei de ir atrás de prefeito para mostrar o que fazem. E não cobramos para fazer nosso jornalismo. Pensei em ir a São Joaquim, mas corro o risco de voltar sem ser atendido. Cada vez me dá mais saudade do Dr Téio!

Aqui nós temos a mina de ouro do turismo. Só que não sabemos aproveitar. Tanto que já fomos Capital Nacional do Turismo Rural e perdemos para São Paulo. Mesmo assim, graças à força das belezas naturais, ao esforço de alguns poucos e à vontade de Deus, esta região continua crescendo. Até porque o Governo do Estado anda investindo por aqui.

Mas será que adianta gastar tanto dinheiro pra quase nada?

Para enfeitar a noiva é claro que adianta.

Veja só o charme de São Joaquim, de Urubici e Lages.