SABORES DA SERRA CATARINENSE/SC – Churrasco e o Entrevero: pratos simples, mas com sabor sofisticado.

SABORES DA SERRA CATARINENSE/SC – Churrasco e o Entrevero: pratos simples, mas com sabor sofisticado.

 

BOAS OPÇÕES PARA SE CONSUMIR NESTES TEMPOS DE PERMANÊNCIA EM CASA. O PINHÃO JÁ ESTÁ DISPONÍVEL NO MERCADO. A SAFRA COMEÇOU NO ÚLTIMO DIA 15 DE ABRIL.

No “esquenta” das reportagens que o Portal prepara sobre o inverno que vem por aí, publicamos a história do prato que é a essência da gastronomia da Serra Catarinense, à base da semente da araucária: o pinhão.

É UM PRATO TÍPICO ONDE SE DESTACAM: PINHÃO, LINGUIÇA, CARNE VERMELHA E LEGUMES.

FOTO 2

O personagem desta reportagem é Júlio César Ribeiro Ramos, de família tradicional e histórica de Lages, ex-vereador e o primeiro a iniciar no Turismo Rural, em Pedras Brancas. É uma das figuras mais importantes da consolidação do turismo em Lages.

Ele é o criador do prato mais interessante e original da culinária típica de nossa região: o Entrevero. O prato está registrado como de sua autoria. Com certeza é um dos mais consumidos na Festa Nacional do Pinhão.

Já existe até uma cultura toda especial voltada para o preparo do prato: instrumentos para descascar o pinhão e conservação do produto em supermercados para uso o ano todo. Consta do cardápio dos principais restaurantes de Lages e Região; da Festa Nacional do Pinhão; e das fazendas de Turismo Rural.

Fomos buscar maiores informações na FCC – Fundação Catarinense de Cultura, no Caderno da Serra – Identidades. Conheça toda a história do prato e de seu criador.

Histórico: Julio conta que na fazenda de seu pai, Plínio Ribeiro Ramos, tinham o hábito de fazer o chamado “Café com Salgado”. Por volta do ano de 1985 Júlio começou a trabalhar com turismo, sendo pioneiro na atividade na região de Lages, e por esse motivo resgatou a gastronomia da região. Ele conta que servia em sua fazenda para os turistas o churrasco de moquém, mas não tinha o hábito de servir junto com aperitivos como linguicinha e outros. Certo dia um turista pediu que ele servisse um aperitivo e então ele resolveu resgatar os ingredientes que eram servidos no café com salgado (linguicinha, pinhão e frescal), e surgiu a ideia de fazer em um disco de arado um prato diferente. Nesse disco ele refogou charque e linguicinha campeira. Percebeu que ficou muito salgado. Nesse momento, viu uma funcionária que estava fazendo almoço passar com um prato de tomates picados e resolveu acrescentá-los Denominação: Entrevero Outras denominações freqüentes: Entreverado Região: Serrana Município: Lages Entrevistado(a): Julio Cesar Ribeiro Ramos Saberes Código LGS-S-03 Lages Lages 99 Identidades ao refogado. Além deste, acrescentou cebola, pimentão e pinhão cozido. Um amigo, vendo isso, comentou que aquele era um verdadeiro “entrevero”, então batizou esse prato com o nome de Entrevero, ou Entreverado Serrano. Em seguida houve a Festa do Pinhão e o Globo Rural fez uma reportagem com Julio sobre a gastronomia típica serrana. O entrevero foi o prato escolhido para ser apresentado no programa, e eleito o prato do ano do Globo Rural de 1989. Nos concursos gastronômicos da Festa do Pinhão esse prato foi campeão por três vezes consecutivas, tendo participado também de outros concursos gastronômicos em que também foi campeão. Júlio afirma que a receita original é feita com ingredientes produzidos em Lages e essa receita é a única verdadeira. Não se opõe que essa receita seja usada ou comercializada. Existem outros tipos de entreveros, mas esse é o típico serrano. Ele fica incomodado quando vê essa receita ser feita de forma diferente usando o nome de entrevero – o seu foi patenteado como Entrevero (ou Entreverado).

Descrição / Observações Gerais:

Ingredientes: Alcatra, carne de porco, bacon, linguiça calabresa, pinhão cozido, cebola, alho, pimentão verde, pimentão vermelho, cenoura, tomate, óleo, tempero verde e sal.

Modo de fazer: Picar todos os ingredientes separados, fritar as carnes aos poucos, num disco ou panela de ferro. Colocar os outros ingredientes, deixando o tomate por último e refogar até o ponto desejado.