Intervenção deve ser aprovada com folga – Mais de 60% a favor

Intervenção deve ser aprovada com folga – Mais de 60% a favor

No começo desta tarde a Câmara dos Deputados começa a votar o Decreto de Intervenção Federal no Rio de Janeiro, para combater o banditismo e tentar restabelecer a ordem naquele Estado.

Provavelmente será o maior índice favorável a uma pauta dos últimos anos numa segunda-feria, quando não é muito comum quorum alto. A rigor, nem 30% da opinião pública devam ser contra a medida extrema do Governo Federal.

Cremos que apenas sejam contra os oportunistas, os adeptos do quanto pior melhor e quem vive à margem da Lei, a criminalidade.

O que se espera é que os resultados práticos de todo esse carnaval que se faz em terno da intervenção sejam muito melhores do que os obtidos nas 18 ações parecidas no Rio com os mesmos contingentes envolvidos, inclusive o Exército. O que se viu num ano de ações contra o crime no Rio foi um resultado praticamente nulo.

Provavelmente desta vez devem ter pensado melhor a forma de agir e em agentes mais interessados em realmente resolver os problemas.

O que é esperado, também, é que realmente o combate seja às causas e não aos efeitos, que parece ser a facilidade da chegada de contrabando, assaltos a cargas, armas e drogas no RJ.

Para se ter uma ideia se a gente observar bem há um contingente em torno de 270 mil homens nas polícias e nas Forças Armadas nas regiões Norte, Oeste e Sul, por onde deve circular o crime. No entanto, são mais de 360 mil no Sudeste, talvez onde esteja o X do problema.

É esperado que os resultados das operações que estão sendo preparadas agora sejam melhores do que as dos últimos 12 meses que não mudaram a situação em quase nada.

Mesmo logo após maciço aparato militar nas favelas, os bandidos exibiam armas, circulavam livremente e faziam até festa para comemorar aniversários de líderes do crime organizado. Desta vez, provavelmente pensaram algo diferente.