SÍNDROME DO GOL NA SAÍDA DE BOLA DO GOLEIRO – Erros na troca de passes muito perto da área. Exemplo, Flamengo (foto). E Juventude vence CSA com bola roubada na área. Entenda mais agora

SÍNDROME DO GOL NA SAÍDA DE BOLA DO GOLEIRO – Erros na troca de passes muito perto da área. Exemplo, Flamengo (foto). E Juventude vence CSA com bola roubada na área. Entenda mais agora

A JOGADA MÁGICA DA SAÍDA PELO CHÃO AINDA VAI GERAR MUITO GOL E PREGAR MUITO SUSTO. NÃO É QUALQUER TIME QUE PODE EXECUTÁ-LA COM SEGURANÇA QUASE ABSOLUTA.

 

Não se pode combinar com o adversário para que ele deixe de aproveitar erros nessa nova tendência do futebol moderno: a de o goleiro iniciar a troca de passes pelo chão. Vai ser preciso muito  preparo da rapaziada para superar o outro time e não perder a bola. Caso contrário torcidas  terão de se acostumar com muito revés para que nosso futebol continue evoluindo

 

O modismo positivo da reposição no toque de bola pelo chão, geralmente a partir do goleiro, tem registrado alto índice de gols contra ele. Um caso foi na rodada 30 da Série B, hoje, 18, em que o Juventude venceu por 1 a 0, roubando a bola na área do CSA.

É difícil uma partida que não haja pelo menos um erro, colocando em risco o time que repõe a bola em jogo. Também tem sido fatal para muitos gols no chamado “jogo contra o patrimônio”, ou seja: “dar mole ao adversário”.

Recentemente, por exemplo, foram vários os casos e pelo menos dois gols a gente lembra que foram resultado de erros entre o goleiro e a zaga. Gols que poderiam ter decidido partidas.

Um deles foi o do Coritiba, frente ao Ceará. Foi um erro da zaga, nesse tipo de troca de passe. Outro foi o do Internacional, contra o Flamengo, que também resultou de falha na troca de passes muito perto da área.

Já vimos tantas jogadas resultando em gol, uma delas foi na zaga do Atlético Goianense, no jogo com o Palmeiras.

O gol do Internacional poderia ter decretado a derrota do Flamengo, já que ele só empatou no último minuto da prorrogação. Assim como sem ele o Inter poderia ter perdido a partida.

Quem faz com propriedade e autoridade essa jogada é o próprio Flamengo. Exemplo disso foi um gol do Pedro, que teve origem na saída de bola pelo chão. O artilheiro fez a diferença e à moda Pelé, Maradona e Zico, fez uma jogada costurando entre vários defensores do Inter e bola na rede.

Isso funciona muito bem na Europa, especialmente no Bayern de Munique, Real Madrid, Liverpool e Barcelona. É de lá que vem  essa arte, muito positiva e que representa um avanço no futebol.

Aqueles são times que de vez em quando tomam um gol de origem nessa jogada. Só que daí fazem dois ou três, graças a ela.

Mas essa é uma tendência do futebol moderno e se a gente quiser crescer nesse esporte, teremos de exercitar muito essa jogada. Então como vamos ter de entrar nessa moda, teremos de conviver com os sustos. Afinal, a ave tem de sofrer para sair da casca.

Só que é preciso saber que às vezes é melhor se livrar da bola, jogando-a para longe: bola pro mato que o jogo é de campeonato. O Bayern é mestre na troca de passes pelo chão a partir do goleiro, mas também dá balões pra longe.