EUROPA É NOVA PREOCUPAÇÃO DA OMS – No final de março e começo deste mês, já alertava que Europa e Américas (Brasil como epicentro) mereciam mais atenção. Nesta semana (15) Europa volta a se preocupar

EUROPA É NOVA PREOCUPAÇÃO DA OMS – No final de março e começo deste mês, já alertava que Europa e Américas (Brasil como epicentro) mereciam mais atenção. Nesta semana (15) Europa volta a se preocupar

ALERTA OMS  ( 15/04)

“Europa ultrapassa marca de 1 milhão de mortes por Covid-19, diz OMS

Região tem registrado ainda cerca de 1,6 milhão de novos da doença casos por semana” (Portal IG).

Fonte: Portal Ig

Conforme publicação de hoje do Portal IG, que citamos como nossa fonte aqui, ” A Europa ultrapassou a marca de um milhão de mortes por Covid-19  e tem registrado cerca de 1,6 milhão de novos casos por semana, alertou, nesta quinta-feira (15), o diretor regional da Organização Mundial da Saúde (OMS), Hans Kluge.

A Europa é a região mais afetada pelo vírus e concentra mais de 30% de todas as mortes e de todos os casos do mundo. O continente concentra seis países dos dez com mais mortes por Covid-19 do mundo, segundo o “Our World in Data”. São eles: Reino Unido (127 mil), Itália (115 mil), Rússia (102 mil), França (99 mil), Alemanha (79 mil) e Espanha (76 mil).

Apesar dos números preocupantes, o diretor regional se mostrou otimista com o avanço da vacinação e queda no número de mortes entre os mais idosos. Ele disse que a proporção de óbitos por Covid-19 entre pessoas com mais de 80 anos, que foram priorizadas na vacinação, caiu para quase 30% na Europa, o nível mais baixo da pandemia.

~~~~~~~~~~~~~~~~~~

 

COBERTURA ANTERIOR

NÚMEROS DA COVID-19 NO MUNDO PREOCUPAM OMS – Oriente, Europa e Américas (Brasil como epicentro) merecem mais atenção

QUADRO NÃO FAVORECE O BRASIL PORQUE VACINAS SÃO CADA VEZ MAIS DISPUTADAS NO PLANETA

 

Números no mundo em 5 de abril

 

                       Nesta segunda-fera, 05 de abril, o cenário dos números no Planeta sinalizavam para um quadro adverso para o Brasil. A OMS informou que já são 130 milhões de infectados globais e 2,84 milhões de mortos. O problema é que Estados Unidos, a Europa, a China e a Índia (segunda maior fonte de vacinas) estão empenhados em primeiro vacinas seus braços para depois pensar em ajuda ao mundo

 

A Índia passou a ser a maior preocupação, pelo perfil de sua população e o número de habitantes. Registrou, nas últimas 24 horas, 103 mil novos infectados. Resultado: já suspendeu por 100 dias a venda de vacinas e de insumos.

A China intensificou sua vacinação e quer manter 10 milhões de doses aplicadas por dia.

A Europa se preocupa com a terceira onda e quer prioridade dos laboratórios de lá.

Os Estados Unidos querem vacinar toda a população até junho e acelerou o passo. Só após isso é que irão se preocupar com os mais pobres.

Isso quer dizer que iremos seguir pelos próximos dois meses com nossa campanha de imunização na média atual, de 1 milhão por dia, se correr tudo bem.

Em todos os pontos da Europa e das Américas, o temor é com um possível aumento de infectados em 7 dias, devido à Páscoa.

França, Espanha e parte dos Estados Unidos acenderam sinal de alerta.

Atualmente, Estados Unidos, Brasil e Índia são epicentros.

 

POSTAGEM ANTERIOR/março

RECORDE COM 2.234 MORTOS NA MÉDIA MÓVEL COMPROVA DESASTRE SANITÁRIO NO BRASIL – Sem vacinas suficientes, agora o País espera olhares humanitários do mundo – Mas precisamos fazer nossa parte, com um mutirão da comunidade com a iniciativa privada

NÃO DÁ MAIS PARA ESPERAR SÓ PELA CLASSE POLÍTICA: A PANDEMIA FOI POLITIZADA ENTRE ALGUNS LÍDERES

O mundo está se mobilizando pelo Brasil, mas é bom que autoridades executivas e diplomáticas comecem a se vestir de humildade e, sem vaidade política, partirem para a luta em busca de socorro na Comunidade Internacional.

 

Pela 4ª vez, em toda a pandemia, o Brasil contabilizou a média recorde de mortes acima duas 2 mil. Essa média corrige as quedas por revesamento em feriados e finais de semana.

 

Números gerais no Brasil/20 de março

Dia 20

Subindo (21 estados e o Distrito Federal): PR, RS, SC, ES, MG, SP, DF, GO, MS, MT, AP, PA, RO, TO, AL, BA, CE, PB, PE, PI, RN e SE; Em estabilidade (3 estados): RJ, AC e MA; Em queda (2 estados): AM e RR.

Veja a sequência da última semana na média móvel:

  • Domingo (14): 1.832 (recorde)
  • Segunda (15): 1.855 (recorde)
  • Terça (16): 1.976 (recorde)
  • Quarta (17): 2.031 (recorde)
  • Quinta (18): 2.096 (recorde)
  • Sexta (19): 2.178 (recorde)
  • Sábado (20): 2.234 (recorde).

 

Balanço do dia 19/03

Total de mortes: 290.525; Registro de mortes em 24 horas: 2.730; Média de novas mortes nos últimos 7 dias: 2.178 (variação em 14 dias: +50%); Total de casos confirmados: 11.877.009; Registro de casos confirmados em 24 horas: 89.409; Média de novos casos nos últimos 7 dias: 72.670 por dia (variação em 14 dias: +18%).

 

Balanço do dia 18/03

Números gerais no Brasil, 18 de março

Total de mortes: 287.795; Registro de mortes em 24 horas: 2.659; Média de novas mortes nos últimos 7 dias: 2.096 (variação em 14 dias: +47%); Total de casos confirmados: 11.787.600; Registro de casos confirmados em 24 horas: 87.169; Média de novos casos nos últimos 7 dias: 71.904 por dia (variação em 14 dias: +22%).

 

Veja a sequência da última semana na média móvel:

  • Sexta-feira (12): 1.761 (recorde)
  • Sábado (13): 1.824 (recorde)
  • Domingo (14): 1.832 (recorde)
  • Segunda (15): 1.855 (recorde)
  • Terça (16): 1.976 (recorde)
  • Quarta (17): 2.031 (recorde)
  • Quinta (18): 2.096 (recorde)

 

Números do dia 17/03

Total de mortes: 285.136; Registro de mortes em 24 horas: 2.736; Média de novas mortes nos últimos 7 dias: 2.031 (variação em 14 dias: +49%); Total de casos confirmados: 11.700.431; Registro de casos confirmados em 24 horas: 90.830; Média de novos casos nos últimos 7 dias: 70.637 por dia (variação em 14 dias: +23%).

 

Números do Brasil, 16 de março:

Total de mortes: 282.400; Registro de mortes em 24 horas: 2.798; Média de novas mortes nos últimos 7 dias: 1.976 (variação em 14 dias: +48%); Total de casos confirmados: 11.609.601; Registro de casos confirmados em 24 horas: 84.124; Média de novos casos nos últimos 7 dias: 69.226 por dia (variação em 14 dias: +22%).

Média móvel nos estados:

Subindo (22 estados e o Distrito Federal): PR, RS, SC, ES, MG, SP, DF, GO, MS, MT, AC, AP, PA, RO, TO, AL, CE, MA, PB, PE, PI, RN e SE; Em estabilidade (2 estados): RR e BA; Em queda (2 estados): RJ e AM.

 

 

BALANÇO DE 14/03, segundo consórcio de veículos de imprensa e o G1,

Mesmo hoje sendo um domingo, quando há represamento de dados por falta de registros oficiais das secretarias, o Brasil registrou 1.111 mortes em 24 horas; a média móvel volta a bater recorde

Também os números totais são preocupantes. O País contabilizou 11.483.031 casos e 278.327 óbitos por Covid-19 desde o início da pandemia, segundo balanço do consórcio de veículos de imprensa. Casos e mortes apresentam tendência de alta.

Veja a sequência da última semana na média móvel:

  • Sábado (6): 1.455 (recorde)
  • Domingo (7): 1.497 (recorde)
  • Segunda-feira (8): 1.540 (recorde)
  • Terça-feira (9): 1.572 (recorde)
  • Quarta-feira (10): 1.645 (recorde)
  • Quinta-feira (11): 1.705 (recorde)
  • Sexta-feira (12): 1.761 (recorde)
  • Sábado (13): 1.824 (recorde)
  • Domingo (14): 1.832 (recorde)

Fonte: G1

Números do Brasil, 14 de março

  • Total de mortes: 278.327; Registro de mortes em 24 horas: 1.111; Média de novas mortes nos últimos 7 dias: 1.832 (variação em 14 dias: +50%); Total de casos confirmados: 11.483.031; Registro de casos confirmados em 24 horas: 43.781; Média de novos casos nos últimos 7 dias: 66.353 por dia (variação em 14 dias: +18%).

Fonte: G1

Média móvel de mortes nos Estados

  • Subindo (23 estados e o Distrito Federal): PR, RS, SC, ES, MG, SP, DF, GO, MS, MT, AC, AP, PA, RO, RR, TO, AL, CE, MA, PB, PE, PI, RN e SE; Em estabilidade (1 estado): BA; Em queda (2 estados): RJ e AM.

 

BALANÇO DE HOJE, 13/03, segundo consórcio de veículos de imprensa e o G1,

Números da pandemia seguem dramáticos. Segundo o consórcio de veículos de imprensa, foram registradas 1.940 mortes em 24 horas; enquanto isso, a média móvel volta a bater recorde e número de casos também. (Fonte: G1).

Também conforme o consórcio o País contabilizou 11.439.250 casos e 277.216 óbitos por Covid-19 desde o início da pandemia, segundo o balanço de hoje. Casos e mortes apresentam tendência de alta.

Veja a sequência da última semana na média móvel:

  • Sábado (6): 1.455 (recorde)
  • Domingo (7): 1.497 (recorde)
  • Segunda-feira (8): 1.540 (recorde)
  • Terça-feira (9): 1.572 (recorde)
  • Quarta-feira (10): 1.645 (recorde)
  • Quinta-feira (11): 1.705 (recorde)
  • Sexta-feira (12): 1.761 (recorde)
  • Sábado (13): 1.824 (recorde)

Dia 13/03

Brasil, 13 de março

Total de mortes: 277.216; Registro de mortes em 24 horas: 1.940; Média de novas mortes nos últimos 7 dias: 1.824 (variação em 14 dias: +51%); Total de casos confirmados: 11.439.250; Registro de casos confirmados em 24 horas: 70.934; Média de novos casos nos últimos 7 dias: 71.419 por dia (variação em 14 dias: +31%).

Estados

Subindo (22 estados e o Distrito Federal): PR, RS, SC, ES, MG, SP, DF, GO, MS, MT, AC, AP, PA, RO, TO, AL, CE, MA, PB, PE, PI, RN e SE; Em estabilidade (2 estados): RR e BA; Em queda (2 estados): AM e RJ.

 

BALANÇO DE HOJE, 12/03, segundo Consórcio de Veículos de Imprensa e o G1,

DIZ A CIÊNCIA: NUMA PANDEMIA, CADA VEZ MAIS UTI’S É PRECISO, MAS O FUNDAMENTAL É FECHAR A TORNEIRA DA CONTAMINAÇÃO, QUE VEM DA CIRCULAÇÃO E AGLOMERAÇÃO DE PESSOAS

Como estancar a contaminação

Em alguns estados, tribunais, MP’S e autoridades executivas e policiais já decidem por lockdown pontual. Em outros medidas mais drásticas que as atuais, com ênfase ao controle do isolamento social e da aglomeração. Só assim se conterá um pouco o crescimento das internações de pacientes em estado grave.

 

BALANÇO DE HOJE, 12/03, segundo consórcio de veículos de imprensa e o G1,

Na divulgação de hoje do consórcio de veículos de Imprensa e G1, o Brasil registrou 2.152 mortes em 24 horas; e a média móvel volta a bater recorde e número de casos também.

Veja a sequência da última semana na média móvel:

  • Sábado (6): 1.455 (recorde)
  • Domingo (7): 1.497 (recorde)
  • Segunda-feira (8): 1.540 (recorde)
  • Terça-feira (9): 1.572 (recorde)
  • Quarta-feira (10): 1.645 (recorde)
  • Quinta-feira (11): 1.705 (recorde)
  • Sexta-feira (12): 1.761 (recorde)

Por G1 e Consórcio de Imprensa

Números do Brasil, 12 de março

Total de mortes: 275.276; Registro de mortes em 24 horas: 2.152; Média de novas mortes nos últimos 7 dias: 1.761 (variação em 14 dias: +49%); Total de casos confirmados: 11.368.316; Registro de casos confirmados em 24 horas: 84.047; Média de novos casos nos últimos 7 dias: 70.925 por dia (variação em 14 dias: +34%)

Média de mortes nos estados

Subindo (23 estados e o Distrito Federal): PR, RS, SC, ES, MG, SP, DF, GO, MS, MT, AC, AP, PA, RO, TO, AL, BA, CE, MA, PB, PE, PI, RN e SE; Em estabilidade (1 estado): RR; Em queda (2 estados): RJ e AM

Dia 11/03

Segundo o balanço do Consórcio de Imprensa, o Brasil registrou hoje 2.207 mortes em 24 horas; média móvel volta a bater recorde.

Esse balanço também indica que o País contabilizou 11.284.269 casos e 273.124 óbitos por Covid-19 desde o início da pandemia, segundo balanço do consórcio de veículos de imprensa. Casos e mortes apresentam tendência de alta.

Veja a sequência da última semana na média móvel:

  • Sexta-feira (5): 1.423 (recorde)
  • Sábado (6): 1.455 (recorde)
  • Domingo (7): 1.497 (recorde)
  • Segunda-feira (8): 1.540 (recorde)
  • Terça-feira (9): 1.572 (recorde)
  • Quarta-feira (10): 1.645 (recorde)
  • Quinta-feira (11): 1.705 (recorde)

 

Balanço do dia 11/03

Segundo o balanço do Consórcio de Imprensa, o Brasil registrou hoje 2.207 mortes em 24 horas; média móvel volta a bater recorde.

Esse balanço também indica que o País contabilizou 11.284.269 casos e 273.124 óbitos por Covid-19 desde o início da pandemia, segundo balanço do consórcio de veículos de imprensa. Casos e mortes apresentam tendência de alta.

Veja a sequência da última semana na média móvel:

  • Sexta-feira (5): 1.423 (recorde)
  • Sábado (6): 1.455 (recorde)
  • Domingo (7): 1.497 (recorde)
  • Segunda-feira (8): 1.540 (recorde)
  • Terça-feira (9): 1.572 (recorde)
  • Quarta-feira (10): 1.645 (recorde)
  • Quinta-feira (11): 1.705 (recorde)

Dados gerais em 11 de março

Hoje,11/03

Total de mortes: 273.124; Registro de mortes em 24 horas: 2.207; Média de novas mortes nos últimos 7 dias: 1.705 (variação em 14 dias: +49%); Total de casos confirmados: 11.284.269; Registro de casos confirmados em 24 horas: 78.297; Média de novos casos nos últimos 7 dias: 69.680 por dia (variação em 14 dias: +30%)

Estados

Hoje, 11

Subindo (22 estados e o Distrito Federal): PR, RS, SC, ES, MG, SP, DF, GO, MS, MT, AC, PA, RO, TO, AL, BA, CE, MA, PB, PE, PI, RN e SE; Em estabilidade (2 estados): AP e RR; Em queda (2 estados): RJ e AM.

 

BALANÇO DE HOJE, 10/03, segundo Consórcio de Veículos de Imprensa e o G1,

Brasil registra 2.349 mortes em 24 horas, novo recorde desde início da pandemia; média móvel aumenta em 43%. Número de novos casos diários: 80.955.

Brasil, 10 de março

  • Total de mortes: 270.917
  • Registro de mortes em 24 horas: 2.349
  • Média de novas mortes nos últimos 7 dias: 1.645 (variação em 14 dias: +43%)
  • Total de casos confirmados: 11.205.972
  • Registro de casos confirmados em 24 horas: 80.955
  • Média de novos casos nos últimos 7 dias: 69.107 por dia (variação em 14 dias: +32%)

Estados

  • Subindo (22 estados): PR, RS, SC, ES, SP, GO, MS, MT, AC, AP, PA, RO, TO, AL, BA, CE, MA, PB, PE, PI, RN e SE
  • Em estabilidade (2 estados): MG e RR
  • Em queda (2 estados): RJ e AM
  • Não atualizou: DF

Veja a sequência da última semana na média móvel:

  • Quinta-feira (4): 1.361 (recorde)
  • Sexta-feira (5): 1.423 (recorde)
  • Sábado (6): 1.455 (recorde)
  • Domingo (7): 1.497 (recorde)
  • Segunda-feira (8): 1.540 (recorde)
  • Terça-feira (9): 1.572 (recorde)
  • Quarta-feira (10): 1.645 (recorde)

Dia 09/03

País contabilizou, em 09/03, 11.205.972 casos e 270.917 óbitos por Covid-19 desde o início da pandemia, segundo balanço do consórcio de veículos de imprensa. Casos e mortes apresentam tendência de alta.

Veja a sequência da última semana na média móvel, arte do G1:

media-movel-11-dias

  • Quarta-feira (3): 1.332 (recorde)
  • Quinta-feira (4): 1.361 (recorde)
  • Sexta-feira (5): 1.423 (recorde)
  • Sábado (6): 1.455 (recorde)
  • Domingo (7): 1.497 (recorde)
  • Segunda-feira (8): 1.540 (recorde)
  • Terça-feira (9): 1.572 (recorde)

Fonte: Consórcio de Veículos de Imprensa e G1.

Dia 9 de março/País; Total de mortes: 268.568; registro de mortes em 24 horas: 1.954; média de novas mortes nos últimos 7 dias: 1.572 (variação em 14 dias: +39%); total de casos confirmados: 11.125.017; registro de casos confirmados em 24 horas: 69.537;média de novos casos nos últimos 7 dias: 68.167 por dia (variação em 14 dias: +38%).

Dia 9 de março/Estados;Subindo (21 estados mais o Distrito Federal): PR, RS, SC, ES, SP, DF, MS, MT, AC, AP, RO, RR, TO, AL, BA, CE, MA, PB, PE, PI, RN e SE; Em estabilidade (2 estados): MG e PA; Em queda (2 estados): RJ e AM; Não divulgou (1 estado): GO.

 

Dia 08 de março, País contabilizou 1.114 vítimas por Covid-19 e a média nos últimos 14 dias foi de 1.540 mortes.

Veja a sequência da última semana na média móvel:

  • Terça-feira (2): 1.274 (recorde)
  • Quarta-feira (3): 1.332 (recorde)
  • Quinta-feira (4): 1.361 (recorde)
  • Sexta-feira (5): 1.423 (recorde)
  • Sábado (6): 1.455 (recorde)
  • Domingo (7): 1.497 (recorde)
  • Segunda-feira (8): 1.540 (recorde)

Dia 8 de março/País

  • Total de mortes: 266.614
  • Registro de mortes em 24 horas: 1.114
  • Média de novas mortes nos últimos 7 dias: 1.540 (variação em 14 dias: +41%)
  • Total de casos confirmados: 11.055.480
  • Registro de casos confirmados em 24 horas: 36.923
  • Média de novos casos nos últimos 7 dias: 66.553 por dia (variação em 14 dias: +37%)

Dia 8 de março/Estados

  • Subindo (19 estados mais o Distrito Federal): PR, RS, SC, SP, DF, GO, MS, MT, AC, AP, RO, TO, AL, BA, CE, MA, PB, PI, RN e SE
  • Em estabilidade (5 estados): ES, MG, PA, RR e PE
  • Em queda (2 estados): RJ e AM

 

 

SÓ A VACINA PARA TODOS E JÁ PODE INTERROMPER A TRAJETÓRIA DO VÍRUS, MAS NÃO CUIDAMOS DISSO NO TEMPO CERTO

 

Análise do Eron Portal

Apenas a preocupação internacional dos últimos dias com o Brasil e seu drama já nos enche de esperanças de que o mais cedo possível aterrizem por aqui tantas doses de vacina quantas precisemos. Nós aqui do Portal já percebemos alguns movimentos neste sentido.

Como sempre acreditamos na Providência Divina, jamais iremos perder a Fé! A começar com esperança de que também a mão amiga das ações humanitárias do Planeta consiga vacinas extras suficientes, e já, através de uma campanha, até mesmo liderada pela OMS e os países que precisam do que temos à vontade por aqui: terra fértil com potencial para produzir alimentos, matéria-prima e natureza com água e muita bio diversidade.

Outro fato positivo é que nos Estados Unidos já começaram a ser vacinados mais de 4 milhões de braços norte-americanos por dia. Então, em 2 ou 3 meses chegarão ao número ideal de imunizações. Com isso, começa a sobrar vacinas para ações humanitárias, como até já disse o novo presidente, Joe Biden.

O fato é que os norte-americanos, a comunidade europeia e os outros dois blocos que compõem a geopolítica mundial – China e Rússia – não irão querer que viremos uns párias do mundo.

É tempo, então, de as lideranças executivas, diplomáticas, políticas e econômica vestirem a túnica da inteligência e calçarem as sandálias da humildade e partirem para a luta. Enfiar a cabeça na macega como o avestruz ou torcer só pela sorte não resolve.

 

EDITORIAL

Nossos desafios: corrigir ações pulverizadas no combate à pandemia e desigualdades gerais na estrutura do País

             Numa pandemia, até chegar a imunização em massa, é preciso fechar as torneiras da contaminação via isolamento social e duras medidas restritivas. Mas como fazer isso aqui no Brasil se não há unidade política, nem econômica e nem social? No primeiro mundo – Europa em especial –  governos lideraram o combate ao vírus com protocolos e sabedoria. Lá os cuidado básicos como distanciamento social, uso de máscara e higiene das mãos são levados a sério pelas pessoas e as lideranças. Além disso, regras e leis são coisas sagradas porque são para valer. Sem contar que as pessoas tem mais conhecimento, alto nível cultural, mais renda e os governos tem mais poder econômico-financeiro para ajudar emergencialmente. Por aqui o combate à pandemia até hoje foi uma Torre de Babel. Um terço de autoridade e povo são negacionistas. Um terço da população é de jovens, de pessoas de maia idade ou as que precisam fazer sobrevier seu negócio. Além disso, a maioria da base da pirâmide social é de pobres, informais ou sem nenhuma renda. Com isso, nem lockdown nacional é possível implementar. Talvez algumas bolhas localizados amenizem um pouco. Portando, parece que estamos entregues a uma fera numa arena!

ERON PORTAL

Texto: Eron J Silva