Coluna Eron J Silva 25/01/18

Coluna Eron J Silva 25/01/18

O governador e suas obras estratégicas

Até deixar o cargo em abril para concorrer ao Senado, o governador Raimundo Colombo deve inaugurar obras estratégicas, encaminhar outras e resolver algumas como o Aeroporto Regional que passou a gestão à INFRAERO e vão começar os vôos em dois meses. O Hospital e Maternidade Tereza Ramos, num custo de mais de R$ 100 milhões, deve ser inaugurado. Já foi licitada a compra do mobiliário e dos equipamentos e as obras físicas estão a todo vapor. Será a maior obra de sua passagem pelo Governo aqui na região. Servirá a 90 municípios como um hospital regional. Outra que fica praticamente pronta é a revitalização do Centro, no valor de mais de R$ 20 milhões, cuja rede subterrânea já está ligada e vem sendo retirado o que é exposto. Já estão sendo repassados os recursos à Prefeitura para a para a praça do ex-Aristiliano e revitalização geral das ruas centrais. As gestões de Colombo chagarão a mais de R$ 1,5 bilhão em investimentos na Serra.

foto 2

Sonho de presidente ainda está vivo

Apesar de que já andou conversando sobre coligação com o PSDB para disputar o Governo do Estado, circulou a informação de que o deputado federal Esperidião Amin, presidente do PP, ainda sonha com a presidência da República. Seu nome teria aparecido com insistência entre os cotados como virtuais pré- candidatos. É um nome que já pôs a mão na massa: foi duas vezes governador.

foto 3

Cordioli é pré candidato a deputado

O juiz aposentado compulsoriamente por sanção disciplinar, Fernando Cordioli Garcia, é pré-candidato a deputado federal, faltando apenas definir o partido no prazo legal. Ele fala agora sobre o cenário político atual e do que espera de positivo com a próxima eleição. A decisão de apenas contribuir evoluiu para uma pré-candidatura porque partidos se interessaram. Siba o que ele considera ideal ao Parlamento: deixar de só estar a serviço do Executivo. Parlamentar não é funcionário do presidente da República; não deve ter ilusões de chegar emplacando leis, mas pode cumprir a mecânica legislativa e ir à rua ser um fiscal das obras e ações do governo; valorizar tudo o que representar a sociedade civil, como as entidades e ONGs; fortalecer a mídia regional e a eletrônica, até mesmo o internauta do bairro; e fim da presunção da propriedade do mandato; acabar com nomeações de parentes, amigos e eventuais financiadores; só nomear observando os critérios técnicos, tempo de função, notório conhecimento, moralidade e transparência; combater o maléfico tráfico de influência.