CAMINHOS DA SERRA – Modelo europeu de estradas turísticas

CAMINHOS DA SERRA – Modelo europeu de estradas turísticas

Os projetos financiados pelo BID – Banco Interamericano de Desenvolvimento – seguem o modelo europeu de rodovias turísticas. O asfalto segue o leito original do traçado anterior com todas as suas curvas.

Além de proteger a natureza, com menor impacto, a estrada fica amais segura porque as curvas fazem a função de redutores de velocidade. E o mais interessante: com as curvas, a paisagem sempre estará na frente. Veja nas fotos. Não há reta com mais de 500 metros.

Pense numa estrada em que a paisagem é que desfila em sua frente! É isso mesmo! Veja nas fotos. Quem vai a Urupema percorre uma estrada com as mais belas paisagens do Sul do Brasil em sua frente.

É que o homem deu mais um detalhe a essa beleza, construindo uma estrada que faz com que a paisagem desfile em sua frente em 90% dos 26 km de Painel a Urupema, de mata, com destaque para as araucárias.

FOTO 2
Especialmente nas BR-s as rodovias tem longas retas. No modelo Europeu de rodovias turísticas prevalecem as curvas para o desfile das paisagens.

O modelo convencional de projetos de rodovias é mais apropriado ao transporte de cargas e privilegia as retas. Além de encarecer a obra devido ao maior movimento de solo, há os adicionais indesejáveis: o convite à velocidade e o desfile nas laterais das matas. Você só vê praticamente o asfalto em sua frente. Veja na foto.

FOTO 2