HOJE É O DIA DO DESCOBRIMENTO DO BRASIL – Bom para reflexão sobre nosso passado e nosso futuro, após a pandemia.

HOJE É O DIA DO DESCOBRIMENTO DO BRASIL – Bom para reflexão sobre nosso passado e nosso futuro, após a pandemia.

COM CERTEZA O BRASIL NÃO SERÁ O MESMO, ANTES E DEPOIS DE 2020. COMO DIZ A OMS, TEREMOS UM NOVO NORMAL.

Caso sejamos bem sucedidos nesta guerra, enfrentaremos outra para recuperar o setor produtivo, a economia e pagar as dívidas dessa crise.

Masa, como somos teimosos em sobreviver, iremos tirar de letra todos os problemas e curar as chagas deixadas por esse inimigo.

Faremos como Pero Vaz de Caminha que tirou de letra a missão de informar ao rei de Portugal tudo sobre a nova terra. Nas letras de sua carta, ele narrou as riquezas e as belezas das matas do Novo Mundo.

Nossa luta, agora, não será tão romântica como a missão de Caminha, porém, com certeza, será um desafio e uma aventura bem maiores do que a das caravelas de Portugal rumo ao Brasil, em 1.500.

 

~~~~~

 

 

ANEXO

POSTAGEM ANTERIOR

 

BRASIL JÁ NASCEU COM TENDÊNCIA À CORRUPÇÃO E À PROPINA

A prova está na História: vídeo Brasil 500 Anos.

NÃO SE TRATA DE QUERER MANCHAR AS PÁGINAS DA HISTÓRIA OU DENEGRIR A IMAGEM DOS SEUS VULTOS. APENAS CONVIDAMOS PARA UMA REFLEXÃO.

A corrupção e a propina vêm desde a antiguidade. Platão, na Apologia de Sócrates, já cita que a maior praga na Grécia era a corrupção no setor público. No Brasil, já se encontra registros de corrupção desde a semana do descobrimento, através da Carta de Pero Vaz de Caminha.

Nesse texto, considerado a certidão de nascimento do Brasil, a gente encontra, além de casos de corrupção, tráfico de influência, abuso com os índios, propina e suborno. Não se trata de querer manchar a História do Brasil. Nem de denegrir a imagem dos heróis descobridores. É apenas uma questão de interpretação dos fatos.

Veja um trecho do Vídeo a seguir:

“Brasil 500 Anos, a Carta de Caminha, Verdadeira Certidão de Nascimento do Brasil”. Disponível aqui através do Portal, ou solicitando pelo Email portaleron@gmail.com

Ao longo do texto {em torno de 50 minutos} a gente percebe inúmeros casos ou indícios de corrupção. Talvez tenha sido por questões estratégicas e necessárias, mas o fato é que subornaram os índios com objetos como espelhos, roupas, colares, cruzes e teriam levado centenas deles para festas dentro das caravelas.

Quanto às índias, a narrativa apresenta alguns tópicos ensejando sensualidade em relação às partes íntimas, como “vergonhas bem cerradinhas”; e suborno aos índios para ajuda na coleta de lenha a provisão de água.

Porém, o mais grave está no final da Carta, quando o Escrivão da Armada pede um favor ao Rei: soltar um genro preso numa ilha. Além desse pedido, claramente o Caminha insinua que precisa ser mais bem recompensado, tanto por esta da expedição como por outras tarefas que porventura venha a realizar.

Pero Vaz de Caminha, que pode ser considerado o primeiro jornalista do Brasil, e Frei Henrique de Coimbra, que celebrou a primeira missa em Porto Seguro, morreram em combate no Oriente. Nosso reconhecimento à bravura e importância histórica de ambos.