DEPOIS DA MAÇÃ, VINHOS DE ALTITUDE SÃO NOVA MARCA INTERNACIONAL DE SC

DEPOIS DA MAÇÃ, VINHOS DE ALTITUDE SÃO NOVA MARCA INTERNACIONAL DE SC

 

VINHOS FINOS DE ALTITUDE DE SANTA CATARINA CONQUISTAM SELO “INDICAÇÃO GEOGRÁFICA”

Fotos: Villa Francioni e Vinícola Hiragami 

 

UM DIFERENCIAL DA SERRA CATARINENSE 

Há mais de 10 anos que os vinhos de altitude de Santa Catarina estão competindo nos mercados, nacional e internacional. Inclusive já são vários os rótulos que receberam premiações no exterior, especialmente na Europa. Principais fatores são a altitude o sol, praticamente únicos nesse lugar do Sul do Brasil.

 

Ao longo dos últimos anos alguns rótulos de vinho começaram a se destacar e já se consolidaram, dando cada vez mais legitimidade à designação “Vinhos de Altitude”.

 

foto 2

 

images

images (1)

Em São Joaquim, a Sanjo, a Hiragami e a Villa Franccioni podem ser apontadas como pioneiras nessa iniciativa em busca de produtos de qualidade e únicos no Brasil.

Agora, SC e, especialmente a Serra Catarinense, celebram a conquista da concessão da Indicação Geográfica de Procedência (IP).
Isto quer dizer que a partir de 2022, os produtores catarinenses desses vinhos poderão solicitar um selo de identificação e de qualidade.
Foi após serem desenvolvidas diversas pesquisas por diferentes instituições e que comprovaram o potencial das regiões de altitude de Santa Catarina para a produção de vinhos finos. Agora, comprovados pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), o Estado e a Serra celebram a conquista.
O anúncio oficial da concessão selo foi feito no último dia 29 de junho.
Para se ter uma ideia, o registro da IG é concedido aos produtos que apresentam uma qualidade única e características do seu local de origem.
É como no caso, por exemplo, do “Vinho do Porto” (Portugal) e da “Champagne”, que é da região de Champagne, (França).
Agora, os vinhos brasileiros produzidos na região mais fria do Brasil, Serra Catarinense, estão premiados e reconhecidos internacionalmente.

Finte de alguns dados: Blog Olivete Salmória (Lages)

 

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

 

POSTAGEM ANTERIOR RELACIONADA

Original: 23 de janeiro de 2019, 8h

 

UM EXEMPLO DE SUCESSO PELO TRABALHO – DEPOIS DA PRODUÇÃO DE MAÇÃS VEIO A VINÍCOLA HIRAGAMI

 

 

Sou um admirador do fruticultor e agora produtor de vinhos finos, Fumio Hiragami.  Ele é um dos exemplos de quem vem da base e consegue, através do trabalho e da dedicação, fazer sucesso no mundo competitivo dos negócios de hoje.

amin

 

Seu Hiragami contou que chegou do Japão só com a vontade de vencer na vida. Iniciou com a família na produção de maçãs em São Joaquim e agora já faz sucesso na produção de vinhos, através da Vinícola Hiragami. Seus vinhos já são premiados como destaque em vinhos finos de altitude.foto 2

Sua vinícola foi fundada em 2006, depois de cinco anos de estudos e a entrada em produção dos primeiros vinhedos. Seu Fumio Hiragami é membro de uma família de imigrantes japoneses, com longa tradição na produção de maçãs em São Joaquim. Realiza essa atividade desde da década de 70.

Em 2006, após cinco anos de estudos, Fumio decidiu investir em um novo ramo: na produção de vinhos finos de altitude, em 2006, depois da implantação dos seus primeiros vinhedos.

A partir daí, são produzidos vinhos e espumantes com as cartas: Cabernet Sauvignon,  Merlot e Sauvignon Blanc.

Sua vinícola já é uma das mais visitadas e os vinhos da linha Torii, o Merlot e o Cabernet Sauvignon teem agradado aos visitantes.

Aqui algumas impressões de alguns convidados:

Vinho Hiragami Torii Merlot 2012: “a garrafa deste, ainda sem rótulo, dava um charme a mais na degustação”. Uma das impressões: “era como se estivéssemos bebendo algo inédito e exclusivo. E o vinho era bem legal, um Merlot interessante, com bela cor rubi, de aroma intenso e bastante agradável. Bem frutado e com toques florais de rosas, além de um ligeiro herbáceo. Na boca era elegante, com boa acidez e taninos agradáveis. Havia, também, um leve amargor que não incomodava.”

foto 3

Outra impressão foi sobre o vinho Hiragami Torii Cabernet Sauvignon 2008: “esse é um Cabernet que estagiou 12 meses em barris de carvalho. Na taça se vê um halo de evolução compatível com seus mais de 05 anos. Os aromas são de ameixa, café e um leve vegetal. Na boca mostra um médio corpo e maciez, com taninos bem presentes e finos. A acidez já começa a faltar um pouco ressaltando certo dulçor. É um bom vinho, que, no entanto, está no seu auge, não acredito que evolua mais na garrafa, deve ser bebido agora”.

Outra observação positiva: “Tive uma boa impressão a respeito dos vinhos da Hiragami. Como não fiquei sabendo o preço deles, não deu para avaliar a relação custo-benefício. De qualquer forma os dois vinhos me pareceram interessantes, o Merlot principalmente”.

Resumo dos vinhos:

Nome: Hiragami Torii Merlot / Higami Torii Cabernet Sauvignon

Vinícola: Hiragami

Região: São Joaquim, Serra Catarinense, Brasil

Teor alcoólico: não sei

Safra: 2012 / 2008

Uva: Merlot / Cabernet Sauvignon

Preço: ambos os vinhos foram trazidos pelo Felipe Silva do blog BebadoVinho

Bebido com (data): Patrícia, Felipe, Cesar e Dardeau (04/12/2013)

Nota: 3,5 em 5 pontos (Merlot) / 3 em 5 pontos (Cabernet Sauvignon).

Sucesso na Maçã

Na década de 2000 seu Fumio Hiragami estava no auge da produção de maçã. Durante uma visita do então governador do Estado, Esperidião a Amin, a São Joaquim, seu pomar e sua unidade de classificação foram escolhidos para uma visita da delegação.

Seu Hiragami sempre foi um admirador de Esperidião Amin, devido a atuação na implantação das mais importantes obras rodoviárias da Serra, especialmente a Estrada da Serra do Rio do Rastro e a BR-282.

Quando Esperidião Amim iluminou a Serra do Rio do Rastro, consolidou seu nome, na história das rodovias catarinenses e ganhou ainda mais a simpatia do povo de São Joaquim, Bom Jardim da Serra e Urubici.

Veja na gelaria de fotos a visita de Amim ao seu Fumio Hiragami: