Rua do Labirinto

Rua do Labirinto

 Rua do Labirinto

 

Querida E-maily

Entre uma tempestade de poeira e outra, neste dia frio de inverno cáustico, procuro celebrar a entrada triunfal de meu recesso laboral no meu estado de graça estafermo e sedentário. Nem sempre sou assim, mas as pessoas às vezes não representam o que são o tempo todo. Sem contar com a adversidade que existe fora de nós, contamos com os opostos internos para confundir os espaços existentes no trino ciência+filosofia+religião.

E depois de muitos anos sem mexer nesse assunto, resolvo reerguer o cajado da desobediência a favor dos contrários, contrariando a benevolência de quem consegue culpar o errado mediante a absolvição do correto. O correto mesmo seria entender que os opostos não são diferentes e até se completam. Quem teria medo do Inferno senão comparado com o Céu? Qual a vantagem da riqueza sem a proliferação da pobreza? O que seria do lindo sem a comparação com o feio? Como seria a vida se não existisse a morte? Como pintaríamos a paisagem universal sem a diversidade de cores? De formas? De tamanhos? De sentidos? Sentimentos? Posições? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …? …?   e… A interdependência dos contrários

Fiquei louco em busca do que parecia normal;

No meu normal, perecia ter ficado louco;

De pouco em pouco nos achegaremos ao muito;

Quanto ao muito não espera de nenhum pouco;

Que gosto teria a vida do posto sem o oposto;

Envida a morte infinda e a vida não teria gosto.

Nos opostos os elementos se completam;

Os inversos são dois pólos eqüipotentes;

Nas relações os contrários se alimentam;

Na passividade encontram-se insurgentes;

O tempo é revelador, mas nunca perdoa;

Entenda a aversão levando a vida na boa.

Somente os loucos conseguem mudar de rumo;

Cientistas são humanos loucos e sapienciais;

Quem não enxerga com os olhos da inteligência;

Sobrevive no pouco pensando que tem demais;

Santos e pecadores dividem o mesmo templo;

Bem-aventurado o louco que não serve de exemplo.

# Sabedoria do Sebastian

Bye!

 

 

Foto: Brendan Smialowski/AFP