CIDADES E TRÂNSITO PODEM NÃO SER INTELIGENTES – Mas as pessoas sim.

CIDADES E TRÂNSITO PODEM NÃO SER INTELIGENTES – Mas as pessoas sim.

UM COMPORTAMENTO CONSCIENTE NO TRÂNSITO É UMA QUESTÃO DE BOM SENSO E INTELIGÊNCIA.

MUDANÇAS PRECISAM COMEÇAR EM NÓS: OBSERVAR AS NORMAS, DEVOLVER O TROCO A MAIS, RESPEITAR A VAGA DO IDOSO…

 

Hoje o mundo que nos cerca é cada vez mais inteligente. Quase é movido a tecnologia. No trânsito foi onde as cidades mais evoluíram. Há até semáforo seletivo: abre mais rapidamente no lado que tiver mais veículos. Há cidades inteiras que são inteligentes.

Neste sentido a nossa cidade ainda está defasada. Há horários que nosso trânsito é um caos. Mas já evoluímos muito. Há vias rápidas e expressas com boa fluência. Único problema são os redutores.

O grande problema de nosso trânsito é o perigo que a faixa de pedestre passou a representar. Especialmente em vias rápidas ninguém para na faixa. A lei é clara: onde não há semáforo e há faixa, o motorista deve parar. Quem tem prioridade ali é o pedestre.

Mas, o perigo é duplo: o pedestre pode imaginar que o motorista vai parar e isso não acontece. Outro perigo é o primeiro parar, o pedestre seguir e ser apanhado pelo veículo seguinte. Então, a faixa de segurança, ao invés de trazer segurança, é mais um fator de risco.

O que se pode dizer é que a nossa cidade ainda não é inteligente em termos de tecnologia. Nosso trânsito também não. Mas o motorista pode ser inteligente. É preciso parar e dar preferência na fixa de segurança. Isso não acontece e se a pessoa reclamar muito motorista faz sinal mal educado.