Prefeitura estimula agricultura familiar no perímetro urbano de Lages

Prefeitura estimula agricultura familiar no perímetro urbano de Lages

Proprietários de lotes e chácaras podem solicitar os serviços de tratores para lavouras e canteiros

No bairro Cruz de Malta, uma lavoura de milho está chamando a atenção de quem passa na principal rua de acesso à região. Na propriedade que pertence ao seu Aldorindo Sperandio, de 80 anos, foram cultivados cerca de três hectares da semente que foram plantadas em novembro do ano passado.

A primeira colheita ainda vai demorar alguns meses, mas as plantas altas, verdes e vistosas já são motivo de orgulho para o seu Sperandio. “Estou muito satisfeito, nunca vi uma lavoura tão bonita. Os vizinhos param para olhar e elogiar”, comenta. É que até alguns meses atrás no local havia apenas algumas cabeças de gado que o empresário mantinha para o consumo família, mas com o apoio da secretaria de Agricultura de Lages, a terra foi preparada para o cultivo e plantio.

Seu Sperandio foi atendido pelo Serviço de Trator Agrícola, um setor da Agricultura, que atende proprietário de lotes e chácaras no perímetro urbano do município. São realizados serviços de arado, grade e encanteirador, explica o coordenador dos serviços, Antônio Luiz Duarte. No ano passado, entre os meses de abril até dezembro, foram feitos em torno de 230 atendimentos, com cerca de 390h de trabalhos realizados pelos tratores. Cada hora de trabalho dos maquinários custa R$ 30 reais. “É quase um preço simbólico, porque nosso maior propósito é estimular a melhoria nas propriedades”, explica Duarte.

Como o que aconteceu com o seu Sperandio, que não vê a hora de colher a produção e vender os grãos para uma cooperativa e reinvestir o lucro. Diariamente ele vai até o local para tratar os animais e cuidar da lavoura, que além do milho, também tem abóbora e gila. “A agricultura familiar além de uma fonte de renda, também é uma forma de sustentabilidade ambiental e segurança alimentar. E nós estamos à disposição para dar orientações e suporte para a comunidade”,  destaca Maurício Crestani Agostineto, engenheiro agrônomo da secretaria de Agricultura.