Lageanos se manifestam contra cortes no Suas e documento será enviado a deputados

Lageanos se manifestam contra cortes no Suas e documento será enviado a deputados

A Câmara de Vereadores de Lages realizou uma audiência pública na noite de quarta-feira (18) para debater a respeito da previsão de cortes orçamentários anunciados pelo Governo Federal para o Sistema Único de Assistência Social (Suas) em 2018. Essa medida representa o comprometimento ou até mesmo o fechamento de diversos programas sociais no município. A comunidade presente se posicionou contra a redução dos investimentos e os vereadores se comprometeram a encaminhar um documento aos deputados em busca de apoio para reverter essa decisão federal.

Conforme o Conselho Nacional de Assistência Social, a proposta de corte orçamentário para as políticas do Sistema Único de Assistência Social (Suas) chega a 98%. O Conselho propôs um valor de R$ 59 bilhões para que toda a assistência social seja mantida em 2018 no Brasil, porém a contraproposta do governo foi de R$ 900 milhões. “Este golpe pode ser mortal, pode significar o fim do Suas”, alertou o proponente da audiência, vereador José Amarildo Farias (PT).

 

Amarildo explicou ainda que com esses cortes milhares de pessoas atendidas diariamente podem ficar sem proteção pela descontinuidade dos serviços especializados. “Mais de 4,4 milhões de beneficiários do Benefício de Prestação Continuada (BPC), sendo 2,4 milhões de pessoas com deficiência e 2 milhões de pessoas idosas, estão com seus direitos ameaçados. Mais de 13 milhões de famílias atendidas pelo Bolsa Família estão em risco de perder seus direitos” destacou.

 

Coordenador do Fórum Municipal de Trabalhadores do Suas, Eduardo Antunes de Matos ressaltou o impacto que essa medida representa para a cidade. “Em Lages, 6.200 famílias recebem o Bolsa Família. Com uma redução de 11% dos recursos, 693 famílias correm o risco de perder o beneficio. No BPC são 2.200 famílias assistidas, com o corte quase 200 serão prejudicadas. O município tem 406 servidores e sem a parcela do cofinancimento o equipamento social fecha. Para o ano que vem estavam previstos mais de R$ 3 milhões para manutenção dos serviços, com a nova proposta apenas R$ 60 mil reais serão destinados para esse município”, expôs.

 

A representante dos usuários do Suas, Maria Auxiliadora Guedes, também se manifestou sobre o assunto. “Eu represento os usuários e estou indignada. Estou aqui falando a língua das pessoas que utilizam os programas assistências e muitas vezes não conseguem ser ouvidas pelo poder público. Ninguém pediu para ser pobre, doente, cego, cadeirante. Pergunto onde essas pessoas vão bater se todos os seus diretos estão sendo violados. Como que vão ficar os usuários dos programas, as entidades estão se humilhando por um direito que é deles”, desabafou

 

A sessão foi presidida pela presidente do Legislativo Lageano, Aida Hoffer (PSD), e também participaram do debate o secretário municipal de Assistência Social e Habitação, Samuel Ramos, e a representante da sociedade civil no Conselho Municipal de Assistência Social, Roseli Freitas. “Enquanto estiver nessa Casa Legislativa estarei defendendo, principalmente, as pessoas em situação de vulnerabilidade social. Vamos continuar a luta para que esse desmonte não aconteça em nosso país”, finalizou Amarildo.

 

 

Fotos: Nilton Wolff (Câmara de Lages)

 

e19d2387a732355c1470b501a40360bd_2017-10-19_18_55_14

52814b86b4d2af4d83939a255fe965d2_2017-10-19_18_55_14

0cc67b9f0a1f14f1c0d9999fadeb239e_2017-10-19_18_55_15

19df5eafd069ce1555a062651f54fefe_2017-10-19_18_55_15