JESUS MORREU PORQUE OUSOU DESAFIAR O PODER DA ÉPOCA – Denunciou o opressor romano e o clero corrupto que o apoiava.

JESUS MORREU PORQUE OUSOU DESAFIAR O PODER DA ÉPOCA – Denunciou o opressor romano e o clero corrupto que o apoiava.

As igrejas cristãs colocam a paixão e morte de Jesus Cristo como consequência de sua missão na Terra para salvar a Humanidade. Realmente não deixa de ser uma verdade. Porém, Ele veio para salvar todos os que o seguissem, que mudassem de vida e que se arrependessem. Jesus não deve ter salvo a todos, indiscriminadamente, tampouco os opressores romanos que mandavam na época.

Sempre temos dito aqui que o ensinamento das igrejas é assentado numa didática que inclui a tese de que Jesus teria vindo para salvar toda a Humanidade que estava perdida. Nem poderia ser diferente mesmo essa catequese. É uma verdade. Porém, dai a gente entender que Ele salvou todo mundo não tem sentido.

Jesus perdoou até os que o crucificaram na cruz, mas que se arrependeram. Realente, estes nem sabiam o que estavam fazendo, como suas próprias palavras. Na verdade, Ele forçou a situação e sua morte foi decisão dEle próprio.

O Salvador nem era para estar pregando em Jerusalém. Odiava essa terra. Foi para lá por força da missão. Era onde mais precisavam Dele. Além disso na sua terra, Nazaré, era um santo de casa que não fazia milagres.

Era tão necessária sua presença em Jerusalém que durante os 3 anos de pregação viveu quase só entre os do caminho errado. Era essa a missão dada pelo Pai: ensinar o caminho.

Jesus não morreu por nós: foi assassinado!

Sem exagero, dá para a gente dizer que Jesus Cristo não morreu por nós, ele foi assassinado para nos salvar. É que, tal e qual hoje em dia, na sue época era um mar de corrupção. A começar pelo clero. Era cheio de corruptos, exploradores, egoístas e devassos.

Caifás que se defenda se puder. Ele foi o principal mentor da ideia de interromper a trajetória de Jesus e o líder  maior do julgamento forjado para que os romanos o matassem. Esse religioso era o campeão da corrupção instalada na igreja, no poder público e em parte da iniciativa privada.

Era o poderoso líder demagogo e bom vivant do clero da época. Chefe da organização religiosa que dava sustentação ao poder constituído pelos romanos cujo atrativo principal era o pão e circo. Esse era o Governo da falsa prosperidade e que exercitava a tática de dar as coisas para viciar as pessoas a se contentar com migalhas.

No fundo era um governo duramente explorador, opressor e cruel. Nesse contexto entra uma a igreja como se fosse um partidão capaz de representar e salvar a todos. Esse filme a gente viu se iniciar aqui no Brasil, bem recentemente.

Jesus, antão, foi assassinado porque ousou desafiar o poder constituído da época: os vendilhões do templo e os Romanos. Tanto que nem mesmo Pôncio Pilatos teve coragem de presidir a farsa do julgamento e lavou as mãos. Entregou Jesus às feras.

Creio que o que o maior homem do mundo quis dizer com os “vendilhões do templo” não foi referência aos macates, camelôs e comerciantes ambulantes da época. Estes usavam o templo para sobreviver com suas vendas e até eram um mal necessário para desviar a atenção dos verdadeiros vendilhões e dos porões do poder e das mordomias.

O que Jesus queria se referir em sua ira no templo era às mordomias, explorações e à corrupção de toda ordem ao egoísmo, gastança e o desperdício entre os poderosos da época.

Esses eram os verdadeiros vendilhões a que Jesus se referiu. Os comparsas de Caifás que vendiam até ingressos em piscinas para suposta purificação de fiéis antes de entrar no templo. Até o marido dormir com a esposa menstruada seria motivo de mácula para não poder entrar no templo. Então era preciso se purificar. Sem contar as barbaridades que escavações arqueológicas comprovam.

Maior praga do poder

Já disse Platão 146 anos antes de Cristo, na apologia de Sócrates: “a corrupção é a maior que se instalou no poder público”. Verdade! Bem como hoje aqui, a corrução era de cima a abaixo lá.

Entre nós, hoje, do mais humilde corrupto aos maiores. Do mais simples servidor ao maior; da menor à maior prefeitura; dos Governos Estaduais à União; da polícia àqueles que compram cargas roubadas e que traficam drogas e arma, a corrupção é um fato.

A corrupção está até na mais simples paróquia no desvio da oferta da missa à maior delas, onde compram carros de luxo, jóias, fazendas e até lotéricas com o dinheiro da mitra.

Então, que Jesus venha novamente! Pelo amor do Pai!

Mas, que já venha sabendo: não vão só crucificá-lo. Certamente serão bem mais cruéis. Deverão esquartejá-lo e eté queimá-lo em praça pública. Pois o egoísmo do homem é capaz de tudo. O dinheiro justifica tudo!