CENTRÃO DEVE COMPOR COM A BASE DO GOVERNO – Não haverá toma lá, dá cá, mas poderá haver participação em ministérios.

CENTRÃO DEVE COMPOR COM A BASE DO GOVERNO – Não haverá toma lá, dá cá, mas poderá haver participação em ministérios.

Liberação de emendas é constitucional, por isso deve ser outro atrativo a parlamentares. Até mesmo o Ministério das Cidades pode renascer.

OPINIÃO AO SITE.

O que ninguém percebeu foi que era óbvio que os parlamentares que não são da aposição ferrenha iriam aprovar a admissibilidade da Reforma da Previdência. Caso contrário, ela cessaria ali.

…………….

Agora a PEC está na omissão especial.

O próximo passo é a votação do projeto neste Plenário.

CONGRESSO

Certamente os governistas históricos, os fisiologistas e aqueles que são patriotas, perceberam, a certa altura, que não votar a admissibilidade da PEC da Previdência seria um tiro no pé ou, no mínimo, a frustração dos partidos e parlamentares que reclamam de falta de “atenção” do Palácio.

Logo, a votação da admissibilidade da PEC da Previdência seria a garantia do mercado do toma lá, dá cá.

Dá oposição o governo jamais pode esperar voto patriótico porque ela está no seu papel que é o de tentar evitar o sucesso do Governo Bolsonaro.

Analistas nacionais renomados disseram que alguns parlamentares, inclusive do Centrão, analisam , nos bastidores, que até uma reforma que produza epenas a metade da economia potencial do projeto original seria o ideal: não inviabilizaria já o Brasil e evita que o Governo fique tão forte a ponto de Bolsonaro se tornar imbatível.

Agora, na comissão especial que começa a analisar o mérito da PEC, é que a cobra vai fumar. O fisiologismo vai aflorar. O Governo até já sinalizou com cargos, emendas e até que pode negociar ministérios.

Não que os fins justifiquem os maios, mas, o Brasil é maior que tudo.

Está em jogo nosso futuro.

ERON PORTAL