Bem Vindo, visitante! [ Cadastre-se | EntrarRSS Feed  | 

Facebook Twitter email

Nenhum banner para exibir

Anunciar Empresa
QUANTO CUSTA UM FERIADO EM DIA ÚTIL? – É fácil precisar e com certeza o impacto é forte nos mercados e na economia.

QUANTO CUSTA UM FERIADO EM DIA ÚTIL? – É fácil precisar e com certeza o impacto é forte nos mercados e na economia.

  O BRASIL SÓ COMEÇA PRODUZIR PARA VALER DEPOIS DO CARNAVAL. Imagina o custo dos dias parados somados aos ajustes nas ações
FLAMENGO, O LEVANTADOR DE TAÇAS – Campeão da Recopa Sul Americana! Mais taças que derrotas!

FLAMENGO, O LEVANTADOR DE TAÇAS – Campeão da Recopa Sul Americana! Mais taças que derrotas!

Campeão da Supercopa do Brasil, da Taça Guanabara, no fim de semana, e agora é campeão da Recopa Sul Americana, no
PRIMEIRO MUNDO VÊ BRASIL COMO COLÔNIA DA ERA MODERNA – Reserva para sequestro de carbono, compensação ambiental, biodiversidade e alimento a eles.

PRIMEIRO MUNDO VÊ BRASIL COMO COLÔNIA DA ERA MODERNA – Reserva para sequestro de carbono, compensação ambiental, biodiversidade e alimento a eles.

PERIGA ATÉ NOS TRANSFORMAREM NUMA GUIANA DO MUNDO RICO. QUEREM ESTE PAÍS COMO UMA RESERVA AMBIENTAL SUBSERVIENTE.   Editorial   A voz corrente por
AEROPORTO DE R$ 63 MILHÕES QUE ESTAVA ABANDONADO ENTRA EM USO – Deputado Berlanda comemora homologação da pista do aeroporto de Correira Pinto.

AEROPORTO DE R$ 63 MILHÕES QUE ESTAVA ABANDONADO ENTRA EM USO – Deputado Berlanda comemora homologação da pista do aeroporto de Correira Pinto.

HÁ UM ANO O PARLAMENTAR DENUNCIOU O ABANDONO DA OBRA QUE ESTAVA NO MEIO DO MATO. SAIU O PRIMEIRO VOO. Na
COLHEITA DO ARROZ A TODO VAPOR NO SUL DE SANTA CATARINA – Corrida agora é contra o tempo, a chuva e o granizo.

COLHEITA DO ARROZ A TODO VAPOR NO SUL DE SANTA CATARINA – Corrida agora é contra o tempo, a chuva e o granizo.

  TUDO CORREU BEM DURANTE O DESENVOLVIMENTO DAS LAVOURAS E A PRODUÇÃO POR HECTARE É EXCELENTE. Em algumas lavouras a colheita é
CAUSOS E LENDAS DO SUL NO ERON PORTAL – Cara enfrenta onça para impressionar sogro e se borra todo.

CAUSOS E LENDAS DO SUL NO ERON PORTAL – Cara enfrenta onça para impressionar sogro e se borra todo.

E O GAÚCHO QUE TRAZ ONÇA A UNHA AO AVIÃO QUE CAIU NA AMAZÔNIA. VOCÊ VAI DAR GAITADAS DE RISO TAMBÉM
MULTIDÃO LOTA AVENIDA NO ‘DESFILE DAS CIDADES’ EM BALNEÁRIO DO RINCÃO – Blocos, trios elétricos e shows resgataram o carnaval saudosista.

MULTIDÃO LOTA AVENIDA NO ‘DESFILE DAS CIDADES’ EM BALNEÁRIO DO RINCÃO – Blocos, trios elétricos e shows resgataram o carnaval saudosista.

PÚBLICO CHEGOU A MAIS DE 50 MIL PESSOAS E O PONTO ALTO FOI O SHOW DO NEGUINHO, NO TRIO ELÉTRICO
CRUZEIRO LEVA TOMBO NA ZONA DA MATA – Perde o jogo para o Tombense, a invencibilidade e a liderança.

CRUZEIRO LEVA TOMBO NA ZONA DA MATA – Perde o jogo para o Tombense, a invencibilidade e a liderança.

APÓS SE CLASSIFICAR NOS PÊNALTIS PELA COPA DO BRASIL NO NORTE, VAI A TOMBOS E LEVA 2 A 0 DO

PROJETO RESGATA AUTOESTIMA DE JOVENS EM VULNERABILIDADE SOCIAL ATRAVÉS DA MÚSICA


Esta postagem foi publicada em 13 de julho de 2017 Administração, Notícias, Notícias em Destaques Slide Topo, Política.

No Percoral a música é usada como ferramenta de transformação social. O aproveitamento de materiais que seriam descartados, utilizando-os como instrumentos musicais, apresenta uma simbologia para a vida pessoal de cada jovem

Muito além da musicalização de crianças e adolescentes que se encontram em situação de vulnerabilidade social, o Projeto de Percussão Corporal e Alternativa – Percoral resgata a autoestima dos jovens inseridos nos Centros de Referência de Assistência Social (CRASs) de Lages.

Depois de cinco anos de trabalho junto à comunidade, o artigo do projeto foi aprovado e será apresentado na Conferência Regional Latino-Americana do ISME – International Society For Music Education (Sociedade Internacional para Educação Musical), que será realizada em Natal, no Rio Grande do Norte, reunindo diversos países da América Latina, de 8 a 11 de agosto.

Esta participação em um evento do ISME, que promove Conferências ao redor do mundo, certamente dará um novo direcionamento ao projeto. Além de representar Lages perante o público internacional, a volta desta viagem estará carregada de novas experiências e aprendizado, pois os documentos elaborados nesses eventos contribuem com diversas linhas de pesquisa relacionadas à iniciação musical de jovens nas escolas e instituições.

O início

Tudo começou em 2012, através do sonho de três jovens estudantes do curso de Música da Universidade do Planalto Catarinense (Uniplac). Hoje, os professores de música graduados, Josias Zancheta, Fabrício Lima Garcia e Antônio Pereira, dão continuidade ao trabalho e buscam apoio.

Na época eles elaboraram o esboço de um projeto que, depois de muita dedicação, mesmo com poucos recursos financeiros, alcançaria muitos jovens carentes no município.

Ingressar no Programa Instituição de Bolsas de Iniciação a Docência (Pibid) – um programa que permite ao acadêmico uma experiência no ambiente escolar, no contato com os alunos, antes de se formar, foi o pontapé inicial, na época da universidade. Foi algum tempo de formatação do projeto, até entrar em execução por volta de 2015, nas redes de ensino municipal e estadual. Iniciado na área da educação, o projeto foi fomentado também pela Secretaria Municipal de Assistência Social, passando a atuar nos CRASs.

O Percoral consiste em grupos de crianças e adolescentes, entre nove e 16 anos de idade, com até 60 integrantes cada, dependendo do bairro de atuação, que aprendem a fazer música através de instrumentos alternativos. “Muitas dessas crianças nunca tiveram contato com algum instrumento musical, que são caros e inacessíveis à população mais carente. Conhecem a música através da televisão e das rádios. Então o projeto veio para inseri-los no mundo da música de uma forma muito mais realista”, diz um dos professores.

E na falta de recursos financeiros para comprar instrumentos modernos, os idealizadores improvisaram e inovaram, reaproveitando materiais como latas, latões, copos, caixas, baldes e outros objetos que seriam descartados. Os instrumentos de percussão alternativos são a base para o aprendizado, na prática, de ritmos afro-brasileiros, como a capoeira, maculelê, marcha-rancho, entre outros que marcam a identidade cultural do país. “A ideia não é transformar esses materiais recicláveis, que provavelmente iriam parar no lixão, em tambores e outros instrumentos de percussão, mas usar o som original que eles produzem para fazer música”, destaca.

Autoestima renovada

No Percoral a música é usada como ferramenta de transformação social dentro da comunidade. Para muitos, o aproveitamento de materiais que seriam descartados, utilizando-os como instrumentos musicais, apresenta uma simbologia para a vida pessoal de cada jovem, resgatando também a autoestima deles. “Alguns alunos nossos, com baixo poder aquisitivo, ou negros, têm vergonha de sua condição perante a sociedade. Depois de muita conversa conseguimos reverter este quadro e trazer de volta o orgulho em ser o que é”, conta o professor Fabrício.

Há, dentro do grupo, muitos relatos da falta de perspectiva de vida para esses jovens. “Para eles, fazer um curso ou uma faculdade, é algo muito distante da sua realidade. Por isso o projeto vem com o objetivo de dar uma direção, dando espaço a novas possibilidades de se ter uma profissão, trabalhando com música, saindo das limitações e sendo protagonistas das suas próprias histórias”, comenta o professor Josias.

Futuros agentes facilitadores do projeto

O Percoral entra em uma nova fase, preparando seus pupilos para serem futuramente agentes facilitadores do projeto. Ou seja, as sementes lançadas agora poderão ser os frutos colhidos daqui a alguns anos, com alunos se tornando professores de música e dando continuidade aos trabalhos sociais desenvolvidos na comunidade.

Uma meta é fazer a junção de todos os alunos, de todos os CRASs que receberam o projeto, para que eles sejam preparados a serem os futuros monitores do projeto. “O trabalho acaba sendo temporário em cada CRAS, pois temos que seguir adiante e atender aos outros. Por isso é importante deixar alunos capacitados a continuarem o trabalho com a música, repassando os ensinamentos”, relata Josias.

Fotos: Toninho Vieira e Divulgação

 


366 Visualizações

Nenhum banner para exibir

Coluna Eron J. Silva



-