Bem Vindo, visitante! [ Cadastre-se | EntrarRSS Feed  | 

Facebook Twitter email

Nenhum banner para exibir

Anunciar Empresa
MODELOS PARA BARRAR INCOMPETÊNCIA EM PREFEITURAS – São os que não fazem promessas, não mentem demais, não sabem beijar criancinhas e nem abraçar direito as suburbanas.

MODELOS PARA BARRAR INCOMPETÊNCIA EM PREFEITURAS – São os que não fazem promessas, não mentem demais, não sabem beijar criancinhas e nem abraçar direito as suburbanas.

ADMINISTRADOR DOS SONHOS É AQUELE QUE NÃO É DEMAGOGO E NEM ELEITO POR CONCHAVOS POLÍTICOS. JEITO NOVO DE ADMINISTRAR QUEBRANDO TABUS
FORO PRIVILEGIADO, JABUTICABA QUE FACILITOU IMPUNIDADE – Mesmo assim, 5 ex-presidentes são investigados.

FORO PRIVILEGIADO, JABUTICABA QUE FACILITOU IMPUNIDADE – Mesmo assim, 5 ex-presidentes são investigados.

STF JÁ LIMITOU O FORO MAS AINDA É DISCUTÍVEL SUA EXISTÊNCIA. Costumamos dizer aqui no Portal que tudo aquilo que só
UNICAMP, UMA UNIVERSIDADE REFERÊNCIA – Cidades do interior oferecem o ambiente ideal para estudar.

UNICAMP, UMA UNIVERSIDADE REFERÊNCIA – Cidades do interior oferecem o ambiente ideal para estudar.

RECENTEMENTE FOMOS A CAMPINAS/SP CONHECER A EXCELÊNCIA DE UMA DAS MAIORES UNIVERSIDADES DO PAÍS. Que o campus dessa universidade é praticamente
MINISTRO MORO GANHA MAIS ALIADOS NO SENADO – Senador Jorginho empunha bandeira do pacote anti-crime.

MINISTRO MORO GANHA MAIS ALIADOS NO SENADO – Senador Jorginho empunha bandeira do pacote anti-crime.

Jorginho Mello/PL intensifica auxílio ao ministro na articulação porque "sociedade está cansada de tanta impunidade". E foi dizer isso a
OS EFEITOS PRÁTICOS DA FRENTE PARLAMENTAR AOS MUNICÍPIOS – Deputado Nilso Berlanda leva recursos a Correia Pinto/SC.

OS EFEITOS PRÁTICOS DA FRENTE PARLAMENTAR AOS MUNICÍPIOS – Deputado Nilso Berlanda leva recursos a Correia Pinto/SC.

DURANTE RODEIO DO CTG GRACÍLIO FELIPE O DEPUTADO ENTREGOU AO HOSPITAL LOCAL EMENDA NO VALOR DE R$ 200 MIL. O deputado é
INTEMPERES PODEM FECHAR ESTRADAS EM SC: Temor é por temporais ou neve no inverno.

INTEMPERES PODEM FECHAR ESTRADAS EM SC: Temor é por temporais ou neve no inverno.

Agora há uma luz no fina do túnel: Governo pensa e concluir a Rio do Rastro. Trata-se de um pequeno trecho
CONHECIDAS VENCEDORAS DO FESTIVAL “UMA CANÇÃO PARA CRICIÚMA”/SC – Três campeãs, melhor letra, melhor intérprete e melhor torcida.

CONHECIDAS VENCEDORAS DO FESTIVAL “UMA CANÇÃO PARA CRICIÚMA”/SC – Três campeãs, melhor letra, melhor intérprete e melhor torcida.

JÁ FOI ANUNCIADA A PREPARAÇÃO DA EDIÇÃO DO ANO QUE VEM DESSE ESPETÁCULO QUE MEXEU COM O POVO E MOBILIZOU
DEPUTADO OBTÉM COMPROMISSO DO GOVERNADOR PARA DEMANDAS DA SERRA/SC – Obras e ações paradas serão retomadas com recursos próprios.

DEPUTADO OBTÉM COMPROMISSO DO GOVERNADOR PARA DEMANDAS DA SERRA/SC – Obras e ações paradas serão retomadas com recursos próprios.

OBRAS NOVAS DEPENDERÃO DE FINANCIAMENTOS A SEREM BUSCADOS NO ANO QUE VEM. EQUIPAMENTOS DO HOSPITAL TERÃO LICITAÇÃO ANA QUE VEM. O governador

CHEGA AO CONGRESSO A PROPOSTA DE RENEGOCIAÇÃO DA DÍVIDA PREVIDENCIÁRIA DOS ESTADOS E MUNICÍPIOS


Esta postagem foi publicada em 22 de maio de 2017 Administração, Notícias em Destaques Slide Topo, Política.

Prefeituras deverão aderir ao parcelamento até 31 de julho
Créditos: Everton / Wikimedia Commons

A Medida Provisória 778/17, que prevê o parcelamento da dívida previdenciária dos estados e municípios, já está tramitando no Congresso Nacional. O texto foi assinado pelo presidente Michel Temer durante a cerimônia de abertura da 20ª Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios, promovida por prefeitos de todo o País.

A MP autoriza o parcelamento em 200 meses das dívidas junto à Receita Federal e à Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) vencidas até 30 de abril deste ano. A adesão dos entes federados deverá ser feita até 31 de julho. A aceitação do parcelamento suspenderá a cobrança de débitos de parcelamentos anteriores.

A dívida é formada por contribuições sociais à Previdência devida pelos estados, Distrito Federal e municípios e seus órgãos públicos. A renegociação abrange débitos ainda não notificados pela Receita e PGFN, inscritos ou não na Dívida Ativa da União, com execução já ajuizada ou os oriundos de renegociações passadas.

Também alcança débitos pelo descumprimento de obrigações acessórias, que são basicamente multas pela não apresentação de documentos fiscais.

Condições
O pagamento do débito será feito em duas etapas. Primeiro, haverá uma entrada de 2,4% do total da dívida, sem reduções, a ser paga em seis parcelas iguais, entre julho e dezembro – os prefeitos vinham negociando com o governo uma entrada menor. A não quitação desta etapa implica em rescisão do contrato de refinanciamento das dívidas previdenciárias.

Na segunda etapa, que começa em janeiro de 2018, a dívida restante poderá ser parcelada em 194 vezes, com reduções de 25% nos encargos, 25% na multa e 80% nos juros incidentes pelo atraso.

Os estados e municípios poderão escolher o valor da parcela da segunda etapa. Poderá ser equivalente ao estoque do débito, excluído da entrada de 2,4%, dividido por 194 ou a 1% da receita corrente líquida mensal (RCL), o que for menor. O valor dessas prestações será descontado dos repasses, feitos pela União, em decorrência dos fundos de participação dos estados (FPE) e dos municípios (FPM). Para fins de controle, os estados e municípios terão que informar a RCL à Receita e à PGFN.

A MP concede mais um benefício ao final das 200 prestações: eventuais resíduos da dívida poderão ser pagos à vista ou parcelados em até 60 prestações.

A Receita e a PGFN vão editar em 30 dias as normas necessárias para a formalização dos contratos de renegociação.

Fundos
Para aderir à renegociação das dívidas previdenciárias, os entes federados terão que autorizar a Secretaria do Tesouro Nacional a reter os repasses do FPM e FPE equivalentes às prestações, inclusive as que não forem pagas na data do vencimento.

No caso em que o valor retido do FPE ou FPM for inferior ao da prestação mensal, o estado ou a prefeitura terão que pagar a diferença por meio de guia fiscal (GPS ou Darf). Se o ente federado não pagar a diferença, o contrato de renegociação será anulado.

Tramitação
A MP 778 será analisada em uma comissão temporária mista (de deputados e senadores). É nesta fase que são realizadas as audiências públicas e apresentadas as emendas. Depois, a medida provisória segue para votação nos plenários da Câmara dos Deputados e do Senado.


318 Visualizações

Nenhum banner para exibir

Coluna Eron J. Silva



-