Bem Vindo, visitante! [ Cadastre-se | EntrarRSS Feed  | 

Facebook Twitter email

Anunciar Empresa
EDITORIAL – OPOSIÇÃO E INTELECTUAIS PARECEM RESISTIR EM ACEITAR A ALTERNÂNCIA – Viúvas socialistas, esquerda e interesses diversos demonstram não aceitar a realidade.

EDITORIAL – OPOSIÇÃO E INTELECTUAIS PARECEM RESISTIR EM ACEITAR A ALTERNÂNCIA – Viúvas socialistas, esquerda e interesses diversos demonstram não aceitar a realidade.

DEVEMOS ENTENDER QUE A ESSÊNCIA DA DEMOCRACIA É A ALTERNÂNCIA E QUE AGORA É A VEZ DE UM OUTRO LADO.
ESPAÇO DA ATUAÇÃO PARLAMENTAR – A página do vereador Amarildo Farias do PT de Lages/SC.

ESPAÇO DA ATUAÇÃO PARLAMENTAR – A página do vereador Amarildo Farias do PT de Lages/SC.

PEDIDO DE INFORMAÇÃO Nº 0054/2019   EXCELENTÍSSIMO SENHOR VONE SCHEURMANN PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL O VEREADOR,  Amarildo Farias (PT), com amparo nos artigos 33, XII e 94,
O MAIOR PREFEITO DE TODOS OS TEMPOS – Tirou Lages do fundo do poço e surpreendeu com obras estratégicas.

O MAIOR PREFEITO DE TODOS OS TEMPOS – Tirou Lages do fundo do poço e surpreendeu com obras estratégicas.

CHEGOU JOVEM À PREFEITURA E BRILHOU EM BRASÍLIA. MAS, POR INTRIGAS INTERNAS E EQUÍVOCOS DO ELEITOR, SUA TRAJETÓRIA FOI INTERROMPIDA. No
ANIMAIS SILVESTRES NAS CIDADES: ESCORPIÕES, COBRA E ATÉ JACARÉ E ONÇA – Neste verão muito quente, jacarés estão no Rio e ES, escorpiões e cobras em outros estados.

ANIMAIS SILVESTRES NAS CIDADES: ESCORPIÕES, COBRA E ATÉ JACARÉ E ONÇA – Neste verão muito quente, jacarés estão no Rio e ES, escorpiões e cobras em outros estados.

VEJA AQUI, TAMBÉM, NO FINAL DESTA POSTAGEM, UMA SUPER SUCURI: A MAIOR COBRA JÁ ENCONTRADA NO MUNDO. Desde o ano passado,
ABERTA LICITAÇÃO PARA OBRAS NA SERRA MAIS VISITADA DO PAÍS – Obras preventivas devem eliminar os riscos de barreiras e rachaduras na estrutura.

ABERTA LICITAÇÃO PARA OBRAS NA SERRA MAIS VISITADA DO PAÍS – Obras preventivas devem eliminar os riscos de barreiras e rachaduras na estrutura.

NÃO É LUGAR PARA CARGAS DE TORAS, É UMA ESTRADA TURÍSTICA CITADA ATÉ NA MÍDIA MUNDIAL. À NOITE É SHOW!
CARREIRA DA MAGISTRATURA DESPERTA INTERESSE DE JOVENS – Juiz encanta plateia do ensino médio em colégio de Lages/SC.

CARREIRA DA MAGISTRATURA DESPERTA INTERESSE DE JOVENS – Juiz encanta plateia do ensino médio em colégio de Lages/SC.

FOI SURPREENDENTE O INTERESSE DOS ESTUDANTES PELA CARREIRA DA MAGISTRATURA, DO MP E A MECÂNICA DA FUNÇÃO DE JUIZ. Nesta sexta,
PAIS DEVEM SE PREOCUPAR COM O QUE SEUS FILHOS COMEÇAM A ASSISTIR, SISTEMATICAMENTE – O que certos conteúdos violentos e jogos dizimando vidas acrescentam de bom à personalidade de um adolescente?

PAIS DEVEM SE PREOCUPAR COM O QUE SEUS FILHOS COMEÇAM A ASSISTIR, SISTEMATICAMENTE – O que certos conteúdos violentos e jogos dizimando vidas acrescentam de bom à personalidade de um adolescente?

INVESTIGAÇÕES REVELAM INDÍCIOS DE QUE ATIRADORES DE SUZANO SE INSPIRARAM EM JOGOS E MASSACRES LÁ FORA PARA VIRAR HERÓIS MORTOS. Há
O COMENTÁRIO DO ERON – Pais perderam a autoridade perante os filhos.

O COMENTÁRIO DO ERON – Pais perderam a autoridade perante os filhos.

E A FALÊNCIA DA AUTORIDADE DELES TEM RAIZ NO "SOFRIMENTO" DURANTE SUA TRAJETÓRIA DE VIDA. Agora procuram dar aos filhos o

AS CRIAÇÕES DO IMAGINÁRIO POPULAR: LENDAS DO SUL: Negrinho do Pastoreio, Boitatá, Salamanca do Jarau e São Sepé.


negrinho do pastoreiro
Esta postagem foi publicada em 22 de fevereiro de 2019 Administração, Notícias, Notícias em Destaques Slide Topo.

RESUMO DAS PRINCIPAIS LENDAS DO FOLCLORE DO SUL, INCLUINDO O GUERREIRO ÍNDIO GUARANI SEPÉ TIARAJU.

Uma das proezas do guerreiro índio guarani Sepé Tiaraju era correr à cavalo deitado e agarrado ao lado do animal, fazendo seu corpo de escudo para as flechas e lançadas pelo inimigo. Na lenda Neguinho do Pastoreio a prática também acontece.

……………

ANEXOS

Conheça algumas palavras curiosas destas lendas ou contos do imaginário popular, em conteúdos que encontramos no Google.

 

Negrinhodopastoreio

SIGNIFICADO DA PALAVRA FOLCLORE

Folclore é o conjunto das tradições, lendas e crenças de um povo cuja expressão se dá através da cultura, linguagem, artesanato, religiosidade, alimentação e vestuário de uma determinada região ou nação.

O Brasil é dono de um dos folclores mais ricos do mundo, construído pelos índios, negros e brancos.

…………………………………….

Negrinho do Pastoreio

Conta a lenda que nos tempos da escravidão, havia um estancieiro muito malvado com negros e peões. Em um dia de inverno, fazia muito frio e o fazendeiro mandou que um menino negro de quatorze anos fosse pastorear cavalos e potros que acabara de comprar.

No final do tarde, quando o menino voltou, o estancieiro disse que faltava um cavalo baio. Pegou o chicote e deu uma surra tão grande no menino que ele ficou sangrando. Disse o estancieiro: “Você vai me dar conta do baio, ou verá o que acontece”.

Aflito, o menino foi à procura do animal. Em pouco tempo, achou o cavalo pastando. Laçou-o, mas a corda se partiu e o cavalo fugiu de novo.

De volta à estância, o estancieiro, ainda mais irritado, bateu novamente no menino e o amarrou nu, sobre um formigueiro. No dia seguinte, quando ele foi ver o estado de sua vítima, tomou um susto. O menino estava lá, mas de pé, com a pele lisa, sem nenhuma marca das chicotadas. Ao lado dele, a Virgem Nossa Senhora, e mais adiante o baio e os outros cavalos.

O estancieiro se jogou no chão pedindo perdão, mas o negrinho nada respondeu. Apenas beijou a mão da Santa, montou no baio e partiu conduzindo a tropilha. A partir disso, entre os andarilhos, tropeiros, mascates e carreteiros da região, todos davam a notícia, de ter visto passar, como levada em pastoreio, uma tropilha de tordilhos, tocada por um Negrinho, montado em um cavalo baio.

Desde então, quando qualquer cristão perdia uma coisa, fosse qualquer coisa, pela noite o Negrinho procurava e achava, mas só entregava a quem acendesse uma vela, cuja luz ele levava para pagar a do altar de sua madrinha, a Virgem, Nossa Senhora, que o livrou do cativeiro e deu-lhe uma tropilha, que ele conduz e pastoreia, sem ninguém ver.

Quem perder coisas no campo, deve acender uma vela junto de algum mourão ou sob os ramos das árvores, para o Negrinho do pastoreio e vá lhe dizendo: “Foi por aí que eu perdi… Foi por aí que eu perdi… Foi por aí que eu perdi…”. Se ele não achar, ninguém mais acha.

…………..

Boitatá

Diz a lenda que, há muito tempo, uma noite se prorrogou muito parecendo que nunca mais haveria luz do dia. Era uma noite muito escura, sem estrelas, sem vento, e sem barulho algum dos bichos da floresta, era um grande silêncio.

Os homens viveram dentro de casa e estavam passando fome e frio. Não havia como cortar lenha para os braseiros que mantinham as pessoas aquecidas, nem como caçar naquela escuridão. Era uma noite sem fim.

Os dias foram passando e a chuva começou, choveu muito, esta chuva inundou tudo e muitos animais acabaram morrendo. Uma grande cobra que vivia em repouso num imenso tronco despertou faminta e começou a comer os olhos de animais mortos que brilhavam boiando nas águas.

Alguns dizem que eles brilhavam devido a luz do último dia em que os animais viram o sol. De tanto olhos brilhantes que a cobra comeu, ela ficou toda brilhante como fogo e transparente. A cobra se transformou num monstro brilhante, o Boitatá. Dizem que o Boitatá assusta as pessoas quando elas entram na mata à noite. Mas muitos acreditam que o Boitatá protege as matas contra incêndios.

………………………………..

Salamanca do Jarau

No tempo dos padres jesuítas, existia um moço sacristão no Povo de Santo Tomé, na Argentina, do outro lado do rio Uruguai. Ele morava numa cela de pedra nos fundos da própria igreja, na praça principal da aldeia.
Ora, num verão mui forte, com um sol de rachar, ele não conseguiu dormir a sesta. Vai então, levantou-se, assoleado e foi até a beira da lagoa refrescar-se. Levava consigo uma guampa, que usava como copo.

Coisa estranha: a lagoa toda fervia e largava um vapor sufocante e qual não é a surpresa do sacristão ao ver sair d’água a própria Teiniaguá, na forma de uma lagartixa com a cabeça de fogo, colorada como um carbúnculo. Ele, homem religioso, sabia que a Teiniaguá – os padres diziam isso!- tinha partes com o Diabo Vermelho, o Anhangá-Pitã, que tentava os homens e arrastava todos para o inferno. Mas sabia também que a Teiniaguá era mulher, uma princesa moura encantada jamais tocada por homem.
Aquele pelo qual se apaixonasse seria feliz para sempre.
Assim, num gesto rápido, aprisionou a Teiniagá na guampa e voltou correndo para a igreja, sem se importar com o calor. Passou o dia inteiro metido na cela, inquieto, louco que chegasse a noite.
Quando as sombras finalmente desceram sobre a aldeia, ele não se sofreu: destampou a guampa para ver a Teiniaguá. Aí, o milagre: a Teiniaguá se transformou na princesa moura, que sorriu para ele e pediu vinho, com os lábios vermelhos. Ora, vinho só o da Santa Missa. Louco de amor, ele não pensou duas vezes: roubou o vinho sagrado e assim, bebendo e amando, eles passaram a noite.
No outro dia, o sacristão não prestava para nada. Mas, quando chegou a noite, tudo se repetiu. E assim foi até que os padres finalmente desconfiaram e numa madrugada invadiram a cela do sacristão. A princesa moura transformou-se em Teiniaguá e fugiu para as barrancas do rio Uruguai, mas o moço, embriagado pelo vinho e de amor foi preso e acorrentado. Como o crime era horrível – contra Deus e a Igreja! – foi condenado a morrer no garrote vil, na praça, diante da igreja que ele tinha profanado.

No dia da execução, todo o Povo se reuniu diante da igreja de São Tomé. Então, lá das barrancas do rio Uruguai a Teiniaguá sentiu que seu amado corria perigo. Aí, com todo o poder de sua magia, começou a procurar o sacristão abrindo rombos na terra, um valos enormes, rasgando tudo.

Por um desses valos ela finalmente chegou à igreja bem na hora em que o carrasco ia garrotear o sacristão. O que se viu foi um estouro muito grande, nessa hora, parecia que o mundo inteiro vinha abaixo, houve fogo, fumaça e enxofre e tudo afundou e tudo desapareceu de vista. E quando as coisas clarearam a Teiniaguá tinha libertado o sacristão e voltado com ele para as barrancas do rio Uruguai.
Vai daí, atravessou o rio para o lado de cá e ficou uns três dias em São Francisco de Borja, procurando um lugar afastado onde os dois apaixonados pudessem viver em paz. Assim, foram parar no Cerro do Jarau, no Quaraim, onde descobriram uma caverna muito funda e comprida. E lá foram morar, os dois.
Essa caverna, no alto do Cerro, ficou encantada. Virou Salamanca, que quer dizer “gruta mágica”, a Salamanca do Jarau. Quem tivesse coragem de entrar lá, passasse 7 Provas e conseguisse sair, ficava com o corpo fechado e com sorte no amor e no dinheiro para o resto da vida.

Na Salamanca do Jarau a Teiniaguá e o sacristão se tornaram os pais dos primeiros gaúchos do Rio Grande do Sul. Ah, ali vive também a Mãe do Ouro, na forma de uma enorme bola de fogo. Às vezes, nas tardes ameaçando chuva, dá um grande estouro numa das cabeças do Cerro e pula uma elevação para outra. Muita gente viu.

……………..

São Sepé

O valente índio guarani Sepé Tiaraju foi um guerreiro que combateu nos Sete Povos das Missões, na época da colonização portuguesa e espanhola, em 1750. Ele era predestinado por Deus e São Miguel, pois nasceu com lunar na cabeça.

Nas noites escuras e no combate, o lunar de Sepé brilhava e guiava os soldados. Quando Sepé morreu, vencido pelas armas dos colonizadores, Deus tirou o lunar da testa e colocou no céu do pampa, para ser o guia de todos os gaúchos – é o Cruzeiro do Sul.

Ele passou a ser invocado como São Sepé, tornando símbolo do sentimento indígena de libertação. Esta é outra lenda gauchesca que marca as tradições do povo do Rio Grande do Sul, lembrada durante a Semana Farroupilha.

Fonte: Google.


75 Visualizações

Nenhum banner para exibir

Coluna Eron J. Silva



-