PASSEIO DE MARIA FUMAÇA, DIA 15 – Uma viagem ao passado e um salto do turismo ao futuro

PASSEIO DE MARIA FUMAÇA, DIA 15 – Uma viagem ao passado e um salto do turismo ao futuro

PARALELAMENTE AO FESTIVAL GASTRONÔMICO SABORES DE LAGES E DAS COMEMORAÇÕES DO DIA DA ADROEIRA, VOCÊ PODERÁ FAZER UMA VIAGEM MARAVILHOSA DE MARIA FUMAÇA

Neste mês de agosto teremos um aperitivo de uma viagem inesquecível ao passado: os passeios de Maria Fumaça quem vem por aí. O primeiro será no dia 15, Dia da Padroeira. Haverá também no domingo, dia 16, e mais uma bonificação ainda neste semestre.

Há mais de um ano que defendo em meus espaços na mídia a criação de um projeto turístico junto à Natureza, na Coxilha Rica. Já temos uma estrada até lá: a ferrovia. Agora está sendo construída uma estrada de asfalto, ligando a BR-116 àquela região. Então, a Coxilha será um lugar bem servido de estradas.

Já imaginou criarmos na Coxilha Rica um espaço junto à Natureza para sediar eventos ao ar livre no verão, tipo Wood Stock, nos Estados Unidos, nos anos 60? Era numa fazenda onde a juventude vivia momentos históricos, ouvindo Rock e se divertindo. Foi o evento do Paz e Amor!

Este aqui nem seria uma nova Festa do Pinhão. Seria algo mais simples, porém, de forte apelo nos dias de hoje, quando há grande interesse pela Natureza. O nosso Wood Stock seria no estilo Cidade de Lona, como no início da Califórnia da Canção, no Rio Grande do Sul.

Assim, a Festa do Pinhão seria a nossa atração do Inverno e a Cidade de Lona a de verão. Nossa região é uma das mais belas do Brasil e a Coxilha Rica é uma das mais belas do mundo.

Sempre tenho dito que se Deus demorou sete dias para fazer o mundo, gastou um só para fazer as serras Catarinense e Gaúcha. Quem não conhece a Coxilha Rica nem sabe o que está perdendo.

A gente só imagina um evento naquele lugar. Poderia ser localizado no ponto mais próximos do entroncamento da rodovia que está sendo pavimentada com a ferrovia. Seria uma estrutura simples, portanto, barata e única no Estado, talvez no País.

Para a logística temos a ferrovia por onde o trem levaria toda a estrutura de palco, ingredientes da gastronomia, bebidas e até automóveis daqueles que não quiserem ir pela rodovia.

Pela rodovia asfaltada iriam os demais veículos e mais infraestrutura complementar. Já seria um passeio dos melhores. A BR-116 está um tapete e os 27 km até a Coxilha Rica serão de grande qualidade e até com um Hotel Fazenda no caminho.

Contudo, o top do evento seria a viagem de Maria Fumaça. Poderia ser providenciado um calendário para o trem mais querido do Brasil vir transportar as pessoas que não desejarem ir de carro por via rodoviária e nem por trem normal.

Muita gente que nem iria participar ativamente da Cidade de Lona, iria fazer esse passeio inesquecível, que é considerado uma volta ao passado. Neste dia da padroeira estarão sendo disponibilizados 4.000 bilhetes para o passeio e devem se esgotar bem mais cedo que se imagina.

Portanto, está criado pela Natureza o melhor lugar para um novo produto turístico em Lages e Serra Catarinense. Todo mundo sabe que serão construídos equipamentos artificiais na Serra do Rio do Rastro, como o teleférico e a plataforma de vidro. Este evento na Coxilha poderia ser a alternativa em Lages.

É só o que falta em nossa região para consolidarmos definitivamente o Turismo de Serra: um projeto integrado, incluindo a Serra do Rio do Rastro, Bom Jardim, Urubici, São Joaquim, Urupema e Lages.

Nosso Turismo de Serra carece de mais profissionalismo. Precisamos atrair gente para viver nossas belezas naturais. No inverno já temos o frio e a Festa do Pinhão. Falta algo mais para melhorar a ocupação no verão.

E o projeto integrando as cidades já com turismo consolidado através das fazendas de turismo rural é o que está faltando. É preciso parar para pensar nisso. Não basta mais apenas satisfazer o cliente. É preciso surpreendê-lo. Nosso problema é falta de gente por aqui. E poderemos ser um destino turístico para todo o País.