SONHO É BEM DIFERENTE DE ILUSÃO – Saiba mais sobre ilusão e sonho e quem são os beneficiários

SONHO É BEM DIFERENTE DE ILUSÃO – Saiba mais sobre ilusão e sonho e quem são os beneficiários

SONHO NÃO É ILUSÃO. ELE FAZ BEM A VOCÊ, AOS QUE O CERCAM E A SEU FUTURO

A cesta básica de sonhos do brasileiro é um pouco diferente da cesta básica de ilusões. Ter ilusões é quando o sujeito engana a si próprio acreditando em alguma coisa ou situações, sabendo não ser possível.

O sonho da pessoa tem seu lado produtivo. Um sonho de se formar, de ser um empresário, um médico, enfim, de ser alguém, motiva o ser humano a lutar pelo seu futuro.

Tanto que se diz: meu sonho é criar meus filhes com dignidade, dar estudo e um futuro a eles. Se você pensar assim, todos os dias, vai conseguir. O sonho vai se tornar realidade. Pensar positivo é importante. Pensar grande também.

Nós temos a mania de colocar tudo no diminutivo: meia horinha, bem certinho, tiozinho, assim por diante. A verdade é que o nosso cérebro se condiciona com isso. Daqui um pouco a gente estará se contentando com migalhas e puxando para traz.

Outro dia me disseram que se eu fechar um contrato de serviço de minha atividade, mesmo que ele seja pequeno, é bom dizer fiz um contrato e não um contratinho. O que eu faço e vendo deve ser valorizado primeiro por mim. Assim começo a mostrar às pessoas que o meu produto é bom, resolve e traz retorno.

A ARTE DE EXPLORAR AS ILUSÕES DO POVO

E é tão verdade que o brasileiro é usado devido sua inocência e ilusão, que até governantes sempre souberam usar muito bem esse perfil ilusório das pessoas para arrebanhar adeptos e votos.

No caso da casa própria não é só ilusão e sonho, é uma necessidade de todos e um mínimo componente da dignidade humana. Mas, a ilusão foi a criação de projetos e estímulos para moradia a todas as famílias pobres.

Claro que teve seu lado bom. Muita gente nunca teria o seu teto. Há que se reconhecer que a política na habitação popular foi uma das melhores dos dos últimos governos.

Mas também essa política social meia sem planejamento criou déficit público e endividou as pessoas.

Outro exemplo de mercado de ilusões foi que a lei prevê que apenas 30% do salário podem ser comprometidos com gastos fora do sustento. Mas, para continuar iludindo arranjaram um jeitinho: o empréstimo.

Para resolver o problema da incapacidade de endividamento, criaram o crédito consignado. Também teve seu lado bom, mas, também ajudou a endividar as pessoas.

A ilusão do carro na garagem valendo o dobro da casa também foi muito bem aproveitada pelos governos. Basta só perceber que deram até subsídios para a compra de carro zero. Foi com a justificativa de aquecer o mercado. Nem tanto, foi mais um bom uso da ilusão do brasileiro.

Futebol e novelas são ilusões porque só enriquecem os outros (o mercado e os personagens) e pouco somam, a não ser acalentar o sonho de um dia ter a vida que os protagonistas tem. É uma espécie de projeção.

Loterias e livros de ajuda são as ilusões mais perversas, Os sonhos de conseguir ficar rico ou sair de dificuldades, mas que, no caso das loterias, há o risco de viciarem a pessoa que pode virar uma jogadora compulsiva.

E o sonho das coisas que adquirimos e que não agregam muito a nossa vida. Quarto, sala e cozinha recheados de coisas inúteis, por exemplo. Observe que há muita sala de estar cheia de sofás, cadeiras, mesas, aparelhos e coisas que ninguém usa. É que todos vivem na cozinha.

É comum a cristaleira estar cheia de copos de cristais e a dona da casa usar o copinho de vidro da azeitona da Cica para tomar água, café e até servir as visitas. Os cristais são para que os olhos batam de longe. Sem citar a quantidade de eletrodomésticos por toda parte, mas só para engordar a conta da energia.

E o quarto, então!? Geralmente é cheio de roupeiros sem roupas, tapetes e abajures que nem são ligados e tapetes. Há gente que nem precisa de almas humanas por perto. O recheio material já é o suficiente.

Texto: Eron J Silva