O MUNDO ESTÁ CHEIO DE TALENTOS EM TODAS AS ÁREAS – Mas poucos fazem a diferença e potencializam efeitos.

O MUNDO ESTÁ CHEIO DE TALENTOS EM TODAS AS ÁREAS – Mas poucos fazem a diferença e potencializam efeitos.

Na vida pública é bem assim. Toda eleição nós elegemos gente nas três instâncias de poder, mas poucos fazem história. Os governadores que foram fenômenos de votos na última eleição estão comprovando isso.

Tanto na vida privada como na pública toda hora aparecem talentos. Uma criança pode encantar nas artes e nos bons exemplos; um craque nos esportes; um estudante nas ciências e um profissional no seu trabalho. E entre os homens públicos é assim também.

Contudo, em todas as atividades da vida predomina o talento mediano. Até um homem bolha de sabão, que é vazio, ou um homem tambor, que é oco, podem impressionar. Depende da visibilidade dada ao efeito visual e ao efeito sonoro.

Logo, o mundo está cheio de talentos, mas poucos são os que fazem a diferença. Mesmo assim, entre os que fazem a diferença, poucos explodem no sucesso e potencializam efeitos com sua criatividade.

Na verdade, todos temos algum talento, cada um naquilo que a vida nos escolhe. Só que acabamos no lugar comum porque isso não veio pela natureza. Não tem sangue nobre, não é legítimo, não tem sustentabilidade!

Até mesmo entre os que fazem a diferença, apenas se sobressaem alguns: aqueles que o acaso escolhe, aqueles que  algum dia estavam no luga certo e na hora certa.

Provavelmente a seleção natural seja a que se encarrega de potencializar os efeitos que a criatividade dos gênios é capaz de causar.

Observe o mundo político de hoje, por exemplo. Logo você irá perceber onde estão os talentos que chegaram via DNA.

O que mais se vê são bolhas de sabão e tambores. Uns são atraentes por fora e outros são ocos, mas que fazem mito barulho.

ERON PORTAL

Onde controla assessorias.

Texto: Eron J Silva.

………….

ANEXO

O SER MEDIANO E O GÊNIO ESTÃO A APENAS 20 CENTÍMETROS UM DO OUTRO

oscar schmidt

Como diz o Mão Santa – o Oscar Schmidt – o ser mediano está a 10 centímetros de um cara de sucesso e a 20 de um gênio.

Por exemplo, a cesta do basquete está a 3,10 m do chão. O atleta que salta até 10 centímetros dela, joga basquete. Aquele que salta até o aro, é titular do time. Mas aquele que salta 10 centímetros acima do aro, joga em qualquer time do mundo.

Portanto, para ser o melhor, tanto na vida privada como na pública, depende apenas de alguns centímetros; de alguns detalhes.