NÓS, AMANHÃ !

NÓS, AMANHÃ !

Quando o Buda ainda era Sidarta Gautama e saiu pela primeira vez de seus aposentos para um passeio pela cidade, o condutor de sua carruagem teve muita dificuldade para lhe explicar que uma criatura fraca, pálida e cambaleante ao lado era um velho. Repentinamente, o príncipe Buda ordenou: dá maia volta, vamos pra casa, de que me adianta a arrogância de minha juventude, se amanhã serei um velho que deu a vida pelo bem dos outros! Vou me debruçar sobre os acervos de pensamentos e ensinamentos disponíveis para tentar encontrar respostas para essa alternância que a natureza faz conosco. Eu, agora, creio que bem logo terei de ir ver minha tia Marina. Pelo menos pra agradecer pelo que ela já fez pra mim…Benção, Tia!