MINHAS ORIGENS – Saiba por que virei Jornalista político

MINHAS ORIGENS – Saiba por que virei Jornalista político

A gente sempre deve se orgulhar das origens. Não é por acaso que sou Jornalista Político. Desde a infância que respiro a política. Primeiro, devido à trajetória de meu pai, Luiz José da Silva, e suas campanhas eleitorais. Depois com a profissão que escolhi: a de jornalista nessa área.
Faço relativo sucesso como articulista político porque adquiri bagagem acadêmica e primo pelo zelo no que faço. Não vivo falando bobagens para depois ver acontecer o contrário do que eu digo.
Mas eu garanto que jamais farei tão bem a articulação de um texto sobre política ou uma composição partidária como o meu pai o faria. Por isso que tenho orgulho de minhas origens humildes! Lá sempre fui bem orientado e direcionado para a vida e para a profissão.
Só me queixo porque assim como meu pai, eu também não sou santo de casa que faz muitos milagres. Meu sucesso atual está vindo lá de fora. Assim como e ele que sempre foi mais reconhecido pelos lá de fora.
Meu pai ajudou a desbravar a nossa terra e foi o primeiro político eleito para o Legislativo, ainda no tempo de distrito. Como o mais votado na eleição de município mãe, Santo Antônio do Sudoeste/Pr, foi o presidente da Câmara. Uma das suas primeiras lutas foi a da criação do Município: Ampére/Pr.
Ajudou a fundar nossa terra, a criar o Município, foi três vezes vereador, três vezes presidente da Câmara e prefeito. Mas foi muito pouco o reconhecimento!
Mesmo com toda essa folha de serviços prestados, foi premiado apenas com o nome de uma rua. Ainda porque um generoso vereador ouviu os apelos de nossa família e aprovou o Projeto de Lei.
Às vezes a gente também precisa deixar Nazaré e ir pregar em Jerusalém para ser ouvida e entendida a nossa mensagem. Sem contar que ainda podem só olhar nossos defeitos para justificar uma crucificação!

Ampére foi onde passei minha infância, alfabetizei-me, fiz o ensino fundamental e iniciai no trabalho, aos 18 anos, como professor municipal concursado e fui secretário da direção do Colégio. Minha professora de Português por 4 anos foi a saudosa Irmã Ângela Bortolotto. Minha primeira chefe e também professora, foi a então Irmã Célia Bortolotto, prima da Irmã Ângela. Ambas foram as duas mais culpadas de eu me aventurar pela carreira de Jornalista. Conseguiram a façanha de fazer eu aprender um pouco de Português.

Ampére/PR, município que meu pai, Luiz José da Siva, ajudou a desbravar, transformar em Distrito e depois em município, hoje é uma referência em indústria para exportação no Paraná. Exporta para diversos países. O sucesso começou com um projeto de um dos meus ex-professores, o ex-prefeito Flávio Penso, que criou um modelo de incentivo que iniciava com a construção e doação em comodato do barracão. A Prefeitura avalizava (informalmente) o empréstimo no Badep e a Copel financiava a instalação da energia. Os primeiros dois barracões foram construídos com a receita conseguida com o bingo de dois carros populares. Hoje Ampere tem mais de 70 indústrias. A Krindgs (confecções) e a Ghel Plus (pias inox) exportam   para quase todos os Continentes.

Conheça o dia a dia do jornalista Eron j Silva: onde ele faz o eronportal.com.br, o Facebook, atende clientes da Agência Eron Comunicação e onde ele vive.