EXPLOSÃO DE SABORES AGUÇA O PALADAR DE LAGEANOS E TURISTAS NO RECANTO DA TRADIÇÃO

EXPLOSÃO DE SABORES AGUÇA O PALADAR DE LAGEANOS E TURISTAS NO RECANTO DA TRADIÇÃO

O ambiente é compartilhado pelos Centros de Tradições Gaúchas (CTGs) Anita Garibaldi, Planalto Lageano e Barbicacho Colorado, e pelo Conjunto de Arte Folclórica (C.A.F) Garrão de Potro

 Em qualquer lugar do planeta, um dos prazeres mais marcantes e que convictamente está eternizado em fotografias nos álbuns ou nas postagens nas redes sociais de quem tem o privilégio de viajar consiste em provar as “delícias” gastronômicas de cada lugar, um aspecto da sua história, identidade e folclore. E a culinária serrana é um chamariz indiscutível ao longo dos dez dias da 29ª Festa Nacional do Pinhão, uma grande carga de responsabilidade sobre os ombros dos grupos de cultura participantes do Recanto da Tradição, um espaço preparado com carinho para enobrecer a cultura de Lages e região. No entanto, apesar do trabalho, tudo é feito de forma minuciosa e recheada de amor.

O ambiente é compartilhado pelos Centros de Tradições Gaúchas (CTGs) Anita Garibaldi, Planalto Lageano e Barbicacho Colorado, e pelo Conjunto de Arte Folclórica (C.A.F) Garrão de Potro. O espaço é cedido gratuitamente. Reuniões são realizadas previamente com os participantes para definição dos principais pontos a consenso antes de a Festa começar.

Anita Garibaldi

Em seu cardápio, o CTG Anita Garibaldi, que faz parte do Recanto há cinco anos, está oferecendo ao público paçoca e entrevero de pinhão, mini pizza à base de pinhão, arroz doce e arroz carreteiro, pois a cada ano os grupos são desafiados e inovar e trazer pelo menos uma novidade ao Recanto da Tradição. A liderança dos pedidos está com a porção de paçoca de pinhão, a “queridinha” dos visitantes. Em torno de 60 porções, com 600 gramas cada, são servidas diariamente, ao valor de R$ 15.

“O tempero é diferenciado. Os visitantes comentam. Vamos supor que fôssemos adquirir um espaço na Marejada, em Itajaí, nós não teríamos aptidão do trabalho com o fruto do mar. Poderíamos pecar em alguma coisa. Portanto, nós temos o conhecimento e sabemos manusear os ingredientes. É feito com amor e carinho. Além da estética. Trabalhamos para que os pratos sejam agradáveis aos olhos e estejam impecáveis”, esclarece Waldemar. O patrão percebe que a clientela é diversificada. “Em dias de portões abertos com entrada livre notamos que a maioria são lageanos devido ao fácil acesso para quem mora aqui. Já recebemos turistas de Florianópolis, Tubarão, Blumenau, Chapecó, Criciúma, além de Rio Grande do Sul e Paraná. Na terça tivemos um pessoal de Pinhalzinho, onde já nos apresentamos em festival. O fato de participarmos de eventos fora de Lages facilita essa interação.” Cerca de 20 pessoas atuam na comercialização dos pratos do Anita Garibaldi, com rodízio e escala. Antes de ser criado o Recanto, os CTGs atuavam em um palco de apresentação e demonstrava-se a culinária com o gesto de servir pratos típicos de graça aos turistas. “A prefeitura nos fornecia os mantimentos.”

Atendimento de qualidade

O início das atividades do Recanto da Tradição acompanha a abertura dos portões do Parque Conta Dinheiro em cada dia. Os trabalhos encerram também de acordo com o final das atrações da Festa. Nesta quinta-feira (15), feriado de Corpus Christi, abriu ás 19h. Porém, nos bastidores, a organização para bem servir ao público com o melhor dos pratos típicos, a jornada começa bem mais cedo, às 16h, quando chegam as mercadorias, pois os veículos tem acesso somente até as 17h. “Quando os portões se abrem estamos com tudo pronto”, resume o patrão artístico do Anita Garibaldi, Waldemar Reis, lembrando que na véspera do feriadão, quarta-feira (14), o serviço terminou às 6h30min, ou seja, já na quinta, pois os utensílios, boxes e mesas devem estar todos limpos para a nova noite.

A renda obtida durante os dez dias no Recanto da Tradição é revertida para os gastos com manutenção do CTG, como a remuneração do instrutor de dança, incluindo para investimento em filantropia, por conta da carência de algumas crianças carentes inseridas na entidade. “Primamos sempre pela cultura. A Festa do Pinhão nasceu do tradicionalismo. São fatores conexos”, pontua Waldemar Reis.

História

Em setembro de 2017 o CTG completará 20 anos e é oriundo de Lages. São 350 filiados, entre integrantes da parte artística e da campeira. Os grupos são divididos da seguinte forma: mirim – três anos a 13 anos; juvenil – 13 a 17; adulto – 18 a 29 anos, e veterano – a partir dos 30 anos. Os ensaios ocorrem no salão da Igreja São José, mas há um terreno no Cruz de Malta, doado pelo Município, onde deverá ser construída a sede. O CTG participará da nova etapa do Festival Nacional da Cultura Gaúcha em Vacaria (RS), dias 1º e 2 de julho e em outubro estará no Festival Gaúcho de Danças (Fegadan), em outubro.

Barbicacho Colorado

 O CTG Barbicacho Colorado oferece paçoca de pinhão, entrevero e o prato adicional escondidinho de pinhão. O instrutor e dançarino do CTG Barbicacho Colorado, Júlio César Arruda Antunes, diz que o escondidinho faz parte do cardápio desde a primeira participação no Recanto da Tradição, há cinco anos. O prato leva aipim, pinhão moído, carne seca ou frescal, queijo gratinado. A porção tem cerca de 300 gramas e custa o mesmo preço da paçoca: R$ 15. O escondidinho é o prato-chefe e o de mais saída. Nesta quarta (14), com quatro shows nacionais na Festa do Pinhão, o movimento estourou. Foram servidas mais de 200 porções somente de escondidinho. “Além de estarmos aqui temos o compromisso com as atividades culturais dentro do pavilhão e no Palco Cultural, Estamos retribuindo e é importante aprimorarmos cada vez mais esta parte cultural de divulgação, pois o turista quer ver o pessoal trajado, saborear a comida típica e as danças.”

História

O CTG tem 56 anos de história e conta com 150 integrantes nas categorias de invernada mirim, juvenil, adulto e veterano, e nas individuais: canto, música instrumental (gaita e violão), declamação e chula. Exemplos de dança são pau de fita, faca maruja, chula e as birivas, herdeiras do tropeirismo. Sua sede fica no bairro Morro do Posto. Na agenda está a 5ª etapa do Festival Nacional da Cultura Gaúcha em Vacaria (RS), dias 1º e 2 de julho. São nove etapas contemplando cidades catarinenses e gaúchas.

 CTG Planalto Lageano

No estande do CTG Planalto Lageano o sucesso é por conta da quirera com feijão tropeiro e bacon. No cardápio ainda tem paçoca e entrevero de pinhão, lasanha de pinhão e sopa de pinhão (estreante). Segundo o patrão, João Teles, a sopa é composta por pinhão, carne de gado e temperos e custa R$ 12 (porção). “Contudo, a quirera é a campeã. Um prato quente bem procurado. O movimento de terça e quarta foram similares.” Foram servidas mais de 200 porções de quirera na quarta. Na terça foram 400 e esgotaram quirera, paçoca, entrevero e lasanha tamanha movimentação no Parque. São mais de 20 pessoas atuando na vendas dos pratos na Festa.

História

Fundado em 1959, sendo o pioneiro do tradicionalismo em Santa Catarina, o CTG tem sua sede no Cruz de Malta e participa do Recanto da Tradição há quatro anos. São 186 componentes. O CTG trabalha com danças artísticas/invernadas (chula e danças do tropeirismo biriva) e modalidades individuais (declamação e poesia), instrumentação (gaita, violão e viola) e solista vocal prenda e peão. Na agenda, irão participar do Festival Nacional da Cultura Gaúcha em Vacaria (RS), em julho, um pré-rodeio, como preparo ao Rodeio Internacional, em janeiro de 2018. Além disto, participará de rodeios em Chapecó (agosto) e Carazinho (RS), no final do ano.

Estreia do Garrão de Potro

 Entrevero, paçoca, pastel de paçoca e de entrevero, X-entrevero e trufa com pinhão formam as opções do C.A.F. Garrão de Potro, bem como as bebidas ponche, quentão, vinho. “Pastel de paçoca e entrevero com tempero especial, X e trufa são exclusividades”, reitera o patrão do grupo, Aldo Camargo de Oliveira. A trufa artesanal é feita de chocolate caseiro, pasta com pinhão moído, leite condensado e creme de leite. “As pessoas têm um pouco de receio porque estão acostumadas com o pinhão salgado. Mas o produto está sendo bem aceito. Por ser uma semente, o pinhão aceita tanto sal quanto açúcar”, explica Aldo. A trufa custa R$ 4.

Mas quem está à frente do ranking de pedidos é o X-entrevero, a R$ 10. A receita leva pão aquecido na chapa e ao meio entrevero – pinhão, carnes de gado e porco, bacon, calabresa, tomate, pimentão, cebola e massa de tomate para encorpar. “O movimento está vantajoso de domingo pra cá.” O recorde foi quarta (14), com a venda de 90 X-entrevero.

Os recursos angariados serão revertidos para a iniciativa e participações, como o Festival Nacional da Cultura Gaúcha, rodeios e subsidiar instrutor, músicos e no processo de construção da sede, próximo ao Lages Garden Shopping, em terreno doado pela prefeitura. “Já está homologado. Só falta adequar o projeto.” Atualmente, os encontros ocorrem em espaços locados: bombeiros e Polícia, na avenida Carahá.

História

Criado em 2014, o C.A.F. Garrão de Potro estreou no Recanto da Tradição neste ano. Até então estava sendo estruturado para tal. Conta com invernadas adulta e veterana, a mirim em formação. São 70 filiados. O grupo desenvolve atividades artísticas, sem cunho campeiro, visando a parte da dança e festivais. Em julho o grupo segue para Portugal e em agosto para o Peru, onde integrantes de espetáculo e dança antiga farão apresentações. As danças antigas são frutos da pesquisa do instrutor Anderson Pereira, como birivas (fandango e dança do facão), de par (peão e prenda), castanhola e belendrengue (dança da Lages antiga). Livros de Paixão Côrtes e Moacir Gomes baseiam a elaboração do espetáculo. O grupo possui um projeto junto ao Colégio Militar e ao Colégio Industrial, de fomento à cultura.

Atividades culturais

 Ainda no Recanto da Tradição são apresentadas talentos individuais, como declamação, chula e poesia. Um sorteio determina o CTG a exibir seus talentos de danças gaúchas/invernadas no Palco Cultural a cada data programada, sendo uma área externa – palco de passagem, e segue sucessivamente.

Fotos: Marcelo Pakinha