LEI MARIA DA PENHA NA PRÁTICA EM PAÍSES VIZINHOS – Alguém pode crer que teria mais efeito que uma cadeia.

LEI MARIA DA PENHA NA PRÁTICA EM PAÍSES VIZINHOS – Alguém pode crer que teria mais efeito que uma cadeia.

NÃO SE DEVE FAZER A APOLOGIA DA VIOLÊNCIA, NEM DEFENDER A VOLTA DA LEI DE TALHÃO.

Mas, há muito marmanjo prevalecido e safado que mereceria uma Lei Maria da Penha tipo a Lei de Talhão. E o que fazer com quem mata a mulher com a justificativa de que foi traído? Para começo de assunto, geralmente quado a mulher trai é porque nem deve estar mais comprometida e devedora de respeito ao sujeito. Quando ela é merecida elos méritos de um bom marido jamais trai.

MAS NEM TUDO ESTA PERDIDO! VEJA O QUE DESCOBRIMOS EM LAGES, SERRA CATARINENSE: A ASSOCIAÇÃO DOS MARIDOS MANDADOS PELA MULHER.

Em Lages, uma cidade tradicionalmente machista, agora há uma revelação curiosa, o que alguém meio desavisado, poderia dizer que desmistifica um pouco a tal violência masculina contra a mulher. Chegou-se a criar a Associação dos Maridos Mandados Pela Mulher (AMMM).

Pessoas que trabalhavam na área de proteção à mulher dizem que ao contrário do que é tão propalado, na cidade as mulheres mais surram do que apanham do marido. Tanto que até há essa brincadeira bem humorada em que homens ostentam uma faixa em seus acampamentos em rodeios com a inscrição: AMMM.

O machismo no Brasil mostra que geralmente o marido é quem bate na esposa o que a Lei chama de violência doméstica. A lei Maria da Penha que combate a violência domestica foi batizada com esse nome inspirado no caso em que uma mulher que sofria muita violência e resolveu denunciar o marido.

Hoje os países vizinhos já estão criando a Lei Maria da Penha deles. Mas o vídeo que usamos na chamada desta matéria mostra que chegou o dia da esposa se vingar. É uma espécia de Lei de Talhão, dente por dente. Em frente à autoridade policial, ela é autorizada a dar tantas chibatadas quantas o marido merecer, proporcionalmente à agressão cometida.

AMMM – Associação de Maridos Mandados pela Mulher.

Em Lages, ao conversar com amigos que atuavam no passado na secretaria que dava assistência à mulher, fiquei sabendo de um dado interessante. Levantamento feito na delegacia revelaram que por aqui a mulher mais surra do que apanha do marido. Geralmente são maridos que bebem em excesso e chegam em casa tentando agredir a esposa. só que a realidade seria um pouco diferente:  e acabam levando a pior.

Então os machões lageanos são minoria. Há mais marido que apenha que surra. Inclusive já existe a uma associação imaginária e bem humorada muito usada como brincadeira, especialmente em acampamentos em rodeios: a AMMM – Associação de Maridos Mandado pela Mulher.