É URGENTE A QUEBRA DA ESTABILIDADE DO SERVIDOR PÚBLICO – Esquerda e PT nasceram no serviço público e com a estabilidade agora dominam o aparelhamento do Estado.

É URGENTE A QUEBRA DA ESTABILIDADE DO SERVIDOR PÚBLICO – Esquerda e PT nasceram no serviço público e com a estabilidade agora dominam o aparelhamento do Estado.

NENHUM GOVERNO DECOLA COM TANTO INIMIGO NA TRINCHEIRA. REFORMA ADMINISTRATIVA PRECISA ACABAR OU PELO MENOS FLEXIBILIZAR A ESTABILIDADE DO FUNCIONÁRIO PÚBLICO.

Não que isto signifique apenas demissões e demissões incentivadas, mas que pelo menos as novas gestões possam reacomodar o capital humano com estabilidade e assim reduzir seu poder político eleitoral que nem sempre é do interesse público.

EDITORIAL

Os partidos de esquerda, especialmente o PT, nasceram dentro do setor público. Então, qual a segurança que terão as autoridades para preparar suas políticas de governo, se cabos eleitorais podem bisbilhotar tudo e usar para seus interesses pessoais e partidários?

Quem garante que assuntos de Estado não podem chegar quentinhos às mãos da oposição?

PUXANDO O TAPETE

O fato é que depois da Constituição de 88 o ativista político e o cabo eleitoral ganharam força e cada vez mais liberdade para agir.

E isso, em parte, fere a legitimidade do voto e torna muito desigual a disputa nas eleições. Sem considerar o poder de mobilização contra mandatários e as dificuldades para o Executivo andar, em caso de quebra ideológica, como atualmente.

Collor caiu com os caras pintadas na rua e o minoritário apoio no Congresso. O sucessor, Itamar Franco, nem precisou de transição. Gerou FHC, que passou o bastão a Lula, também sem nenhum significado de mudanças mais profundas.

Nos quatro mandatos do PT, igualmente não houve quebra da corrente. Com isso, o viés ideológico no setor público fez inflar a militâncias e o ativismo político no setor público.

Agora, que houve mudança da água paro vinho na orientação política do Governo Federal, a máquina do Estado está vulnerável e nas mãos do inimigo.

ERON PORTAL

Onde controla assessorias.

Texto: Eron J Silva.