DADO PRIMEIRO PASSO PARA A “TRIBUNA DO CIDADÔ NO LEGISLATIVO – Câmara recebe alunos de escola itinerante do interior para reivindicar.

DADO PRIMEIRO PASSO PARA A “TRIBUNA DO CIDADÔ NO LEGISLATIVO – Câmara recebe alunos de escola itinerante do interior para reivindicar.

O JUIZ FERNANDO CORDIOLI VEM SUGERINDO HÁ MUITO QUE OS LEGISLATIVOS MUNICIPAIS ABRAM ESPAÇO PARA O CIDADÃO FALAR.

A ideia é que a pessoa possa se inscrever para falar sobre assunto da pauta, numa espécie de “Tribuna do Cidadão” em Plenário.

A Câmara de Vereadores de Lages já abria espaço nas sessões para o cidadão falar sobre determinados assuntos de interesse público. Realiza as sessões especiais e as audiências públicas, durante as quais o munícipe se inscreve para afalar.

Agora a Mesa atual inovou ainda mais: recebe a visita de grupos de pessoas representantes de determinado setor e forma a Mesa e o Plenário (espaço dos  vereadores) com integrantes da comitiva.

 

Visitas de alunos da escola itinerante 7

Na semana passada (quarta e quinta, 24 e 25 de abril), o Poder Legislativo Lageano recebeu a visita de estudantes e professores da Escola Itinerante Maria Alice Wolff, mais especificamente das localidades de Morrinhos e de Santa Terezinha do Salto.

Eles conheceram a estrutura da Câmara de Vereadores e simularam audiências públicas no Plenário Nereu Ramos, nas quais os alunos apresentaram reivindicações pertinentes às comunidades onde vivem.

Os estudantes do 6ª ao 9ª ano do ensino fundamental e do ensino médio vieram à Câmara acompanhados pelas professoras Marli, Liliane, Rosemery, Vania e Vanusa, a convite da vereadora Aida Hoffer (PSD), que acompanhou o grupo no primeiro dia, enquanto no segundo os alunos tiveram a companhia e a orientação de Mauricio Batalha Machado (Cidadania).

O ponto alto da visita, forma as audiências públicas simuladas, que serviram para demonstrar as principais necessidades dos estudantes do interior de Lages.

No primeiro dia, a maioria dos pedidos ficou para a construção de uma escola em Morrinhos, uma vez que as aulas são ministradas no salão da igreja da localidade. No dia seguinte, as reivindicações se concentraram em melhorias no acesso à Santa Terezinha do Salto e a disponibilização de internet para aprimorar a qualidade de ensino oferecida aos alunos.