CONTRIBUIÇÃO DO PORTAL – Uma reflexão sobre nossa própria mortalidade

CONTRIBUIÇÃO DO PORTAL – Uma reflexão sobre nossa própria mortalidade

Você precisa ler isto. Você precisa fazer disto a sua filosofia de vida. Uma contribuição que o Portal recebeu e compartilha com você.

Já parou pra pensar que as pessoas chegam pra você, em seu aniversário, e falam: parabéns! Mais um ano de vida! Está errado: é menos um ano de vida.

Quando falamos isso, nessa hora você olha pra gente e fala: poxa, mas isso é muito triste, né?

Na verdade, triste é você chegar ao fim da vida e olhar pra trás e perceber que investiu seu precioso tempo e sua preciosa energia em pessoas e projetos que não valeram a pena.

Triste é você se arrepender por não ter tentado, por não ter arriscado. Porque se nós tivéssemos consciência da nossa finitude; se nós tivéssemos consciência de que cada minuto é um minuto a menos e de que cada instante é um investimento, então, acreditamos que, provavelmente, a agente veria nossa vida de maneira diferente.

Consciente da sua própria mortalidade, talvez você não brigasse no trânsito. Consciente de sua própria mortalidade, talvez você não ficasse se apegando a coisinhas pequenas e a picuinhas, nos relacionamentos com as pessoas que você ama.

Talvez, se você tivesse consciência de sua própria mortalidade, você encarasse a vida como ela é e o fato de que tempo é investimento.

Se a gente tiver consciente de que um dia vai fechar o olho e nunca mais vai abri-lo. Se a gente estiver consciente de que este período que a gente está passando aqui é um passeio, com certeza ficaria muito mais agradecido; mais agradecido à Natureza por ter dado mais essa oportunidade fantástica de vir passear, ainda que brevemente, ainda que por algumas décadas, por esse Universo. Agradecido por vir passear por esse Universo e portar um cérebro dos mais complexos que existe na Natureza. Um cérebro que permite a gente contemplar as belezas da Natureza, que permite a gente pensar e refletir sobre nossa própria vida e que permite a gente conseguir fazer com que amanhã a gente viva melhor do que gente está vivendo agora.