COMERAM A VAQUINHA DO CIDADÃO: Fizeram churrasco da pobre – Desconfie do preço muito baixo das ofertas de certos estabelecimentos

COMERAM A VAQUINHA DO CIDADÃO: Fizeram churrasco da pobre – Desconfie do preço muito baixo das ofertas de certos estabelecimentos

MUITA CARNE BARATA NAS OFERTAS POR AÍ PODE SER PROVENIENTE DE ABIGEATÁRIOS, SEM INSPEÇÃO, GATO POR LEBRE OU DE OUTROS BICHOS POR BOI OU OVELHA

Agora o produtor pelo menos poderá ver reduzido o furto de seus animais. Deve surgir uma delegacia especializada em furto e roubo de animais. Será o primeiro projeto de um deputado estadual que deverá ser eleito em 2022. Aguarde.

ESSE ÓRGÃO JÁ EXISTE.

No Rio Grande do Sul já faz muito sucesso uma delegacia criada na região de Uruguaiana, Bagé e redondezes. A criação do órgão reduziu em 30% o furto e o abate clandestino de gado e outros animais.

Pasme! Lá furtavam gado, cavalo, ovelhas, enfim, tudo que era animal que os abigeatários encontravam. E o mais grave, a carne era vendida em bairros, sem inspeção portanto, nem comprovação de origem.

Conta a boca pequena que até gatos e cães eram abatidos e vendidos em mercearias e pequenos supermercados. A carne de cavalo era vendida por carne de búfalo. E a carne de cachorro era vendida por carne de ovelha.

Portanto, desconfie de preço muito baixo nas ofertas de certos estabelecimentos. Procure produtos de comprovada procedência. Caso contrário você pode estar comprando gato por lebre.

O CASO DA VAQUINHA DO CRIADOR DE GADO LEITEIRO.

A partir de agora, galinha, vaca, porco e até o papagaio estão sujeitos a ir para a panela. Passam a estar na mira dos amigos do alheio até os bichos de estimação das famílias. Antigamente eram mais visados os objetos de valor para o desaperto dos malandros.

Uma curiosidade no passado era que até lavouras de milho verde eram visadas. Ocorreu isso nos fundos do CAV – Centro Agro Veterinário-Lages/SC, há uns 15 anos.

Imagina só nos dias de hoje quando a coisa está ficando cada vez mais feia! Estão se agarrando a até em pé de vento para fazer a festa particular. Nem vaca de leite escapa mais!

Até pouco tempo a preferência era por coisas de valor acima de R$ 50 Reais. Estão sempre na mira dos amigos do alheio, infelizmente porque existe “cliente” para tudo. Dizem que há quem compre coisas de 50 por 10. É a luta de muita gente para conseguir cheirar. Agra a busca é também por comida.

Mas agora está lançada uma nova moda: fazer churrasco até da vaca de leite alheia. Veja só a história de um criador de gado leiteiro de Lages, na Serra Catarinense. Ocorreu um furto inusitado entre os bairros Guarujá, Dom Daniel, Tributos e o Cristal. Comeram a vaquinha do cidadão em churrascada. Foi após carneá-la, na calada da noite.

O churrasco deve ter sido à vontade na vizinhança desses abigeatários. Veja só a situação a que chegamos! Provavelmente daqui um pouco nem o papagaio escape da panela.

Triste foi o destino dessa vaquinha acima! A propriedade do produtor faz divisa com uma área da UDESC (entre os bairros Guarujá, Dom Daniel, Cristal e Tributos) com uma área baldia no intervalo.

Ocorre que enquanto o dono estava no enterro de um parente (no Cerrito), sua vaca leiteira de raça e de estimação foi retirada e abatida num capão florestal. Só restaram: a ossada, a cabeça e o couro (este porque vale apenas R$ 40,00 e dá muito trabalho para prepará-lo e vendê-lo). Também porque poderia servir de pista para a investigação.

O dono da vaca já está no 10º BO por sumiço de gado. E é provável que ainda aumente este tipo de ocorrência.

Depois da colheita noturna por ladrões de uma lavoura de feijão, creio que este crime seja o mais curioso. É que dizem que carne de vaca no período de lactação não é lá tão saborosa.

Colheram lavoura de milho verde

Ainda a respeito daquela região do ocorrido com a vaca, há uns 15 anos fizemos uma reportagem da colheita de uma plantação de uns quatro hectares de milho verde. A população dos barros vizinhos fazia fila com sacas de milho nos ombros.

Era uma plantação experimental do Centro Agro Veterinário – CAV – logo após a criação do Curso de Agronomia naquela instituição. Creio que nem foi impedida a colheita porque os acadêmicos já haviam concluído os estudos sobre a plantação de milho.