COLIGAÇÃO “AQUI É TRABALHO” ABRE CAMPANHA EM LAGES – Merisio promete governo renovador e Colombo pede voto fechado para ele e Amin.

COLIGAÇÃO “AQUI É TRABALHO” ABRE CAMPANHA EM LAGES – Merisio promete governo renovador e Colombo pede voto fechado para ele e Amin.

Poliítica-002
Concentração Política em Lages 16/08/18 – Coligação “Aquí é Trabalho”.

download

 

A PRIMEIRA MOBILIZAÇÃO POLÍTICA DESTA CAMPANHA FOI EM LAGES: A LARGADA DA CORRIDA PELA SUCESSÃO ESTADUAL.

LAGES/SERRA CATARINENSE – Ontem foi o primeiro dia oficial da campanha 2018. A coligação Aqui é Trabalho, que reúne mais de uma dezena de partidos, encabeçada por PSD/PP/DEM, fez o a primeira concentração política, no Centro Serra, às 19h.

O candidato ao governo, Gelson Merisio, comandou a festa cívica, chamando o deputado Esperidião Amim, candidato a senador, para iniciar os discursos. Parfa ele, foi uma forma de agradecer o gesto que praticou ao abrir mão da candidatura ao governo, em nome da união para assegurar mais condições de chegar ao segundo turno.

Amin lembrou que todos são vinho da mesma pipa. Estiveram separados em algumas eleições mas sempre houve grandeza e o bom combate. Disse que o Brasil e SC não podem abrir mão de ambos em Brasília para promover as mudanças e para trazer a SC o que é de direito.

Raimundo Colombo pediu voto fechado para ele e Amim, por uma questão de competência, experiência e lealdade de Amin. Colombo disse que aos 27 anos foi secretário do Governo Amin, o início da consolidação de sua carreira política, chegando a deputado estadual, prefeito de Lages, deputado federal, senador  e Governador por dois mandatos.

Gelson Merisio prometeu um Governo rompedor, renovador, saneador da máquina e que se espelhe nos governos de Colombo para a travessia da crise que vivemos  para um futuro melhor. Destacou que SC é o Estado modelo, melhorado nos dois mandatos de Colombo e que vai ter o que é de direito. Quer contar com Amin, Colombo e com os deputados federais da coligação em Brasília para que o Estado receba o retorno mais justo dos impostos pagos pelos catarinenses, que hoje é na proporção de 1 em cada 4 reais arrecadado junto ao povo.