AS DIFICULDADES NO SERVIÇO PÚBLICO – Prefeito faz relato a empresários sobre a greve.

AS DIFICULDADES NO SERVIÇO PÚBLICO – Prefeito faz relato a empresários sobre a greve.

AINDA SOBRE A MOBILIZAÇÃO NOS TRANSPORTES. QUAIS OS ESTRAGOS EM LAGES?

Os efeitos na economia ainda virão lá na frente. Agora foi mais os prejuízos com a aqueda na produção e desabastecimento.

O assusto foi tema da reunião da diretoria da ACIL. O refeito de Lages, Antonio Ceron, participou da reunião da Associação Empresarial de Lages, realizada nesta segunda feira, 04/06, na entidade. Na ocasião ele relatou as principais dificuldades enfrentadas pelo poder público durante os dez dias de paralisação dos caminhoneiros, que ocorreu em todo Brasil.

O primeiro impacto do movimento foi que a paralisação acabou ocasionando o desabastecimento e escassez de alguns produtos e serviços essenciais para a população. Essa situação, mais o impasse nas negociações entre o Governo Federal e as lideranças nacionais do movimento, levou o Prefeito de Lages a criar o Comitê de Crise, formado por secretários municipais, Corpo de Bombeiros, Polícia Militar, Policia Civil, Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, Exército, representantes dos supermercadistas, ACIL, CDL, entre outros. O objetivo foi avaliar a situação do município e encontrar soluções para garantir a manutenção dos serviços e o abastecimento dos produtos essenciais.

Na reunião realizada no dia 29/05, foram definidas estratégias para a retomada do abastecimento de produtos essenciais para a população como o gás de cozinha. “Durante o período de paralisação, a Defesa Civil fez mais de 50 viagens para trazer remédios e produtos para curativo, pois tinham passagem tranquila nos bloqueios. O que mais nos preocupava era abastecer a população com alimentos e produtos de primeira necessidade”, explicou.

Para o Prefeito Ceron, as consequências desta paralisação vão começar a aparecer agora. “As consequências vão ser para a economia brasileira, pois o Governo não pode cortar receitas, com isso, irá diluir as concessões feitas aos caminhoneiros em outros impostos e serviços. Vou reunir meu colegiado para preparamos uma estratégia para enfrentar uma queda de receita. É preciso tomar providências, fazer corte de gastos e prevenção”, falou. Ainda segundo ele, “este movimento deverá servir para que, no mínimo pedagogicamente, faça os 122 milhões de eleitores refletirem sobre as eleições de outubro”.