PROFESSOR RESGATA HISTÓRIA DE MINHA TERRA – Livro revive desbravamento de Ampére/PR. Nossa pesquisa particular descobre que governo vendeu um terço do PR.

PROFESSOR RESGATA HISTÓRIA DE MINHA TERRA – Livro revive desbravamento de Ampére/PR. Nossa pesquisa particular descobre que governo vendeu um terço do PR.

O livro conta a saga dos pioneiros em busca da “terra prometida pela natureza” para plantar e criar num lugar ainda inóspito e devoluto.

contracapa

 

A partir dos anos 1940 intensificou-se a povoação do Sudoeste do Paraná por colonos de outras regiões, de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul.

Eram atraídos pelas mais ricas terras do País, cujo valor a pagar era apenas o trabalho e a coragem para ser pioneiro.

Esse Eldorado* Brasileiro causou duas revoluções: a primeira foi a corrida da terra. A segunda, a disputa entre posseiros e a companhia de terra CITLA, à qual o Governo do Paraná vendera quase um terço do Estado.

Em 1946 havia apenas um picadão até onde hoje é a sede do Município. Ali estavam as primeiras 10 ou 12 famílias posseiras.

É aí onde começa o maior e mais importante conteúdo histórico cronológico do pioneirismo no desbravamento e colonização do Sudoeste do Paraná.

AUTORIA DO LIVRO

O autor dessa façanha de regate histórico não poderia ter sito outro, senão o meu professor dos tempos de Ginásio, Inácio Reichert, hoje diretor e criador da Famper- Faculdade de Ampére – instituição de ensino superior que está contribuindo com força na revolução da Educação e da Industrialização de Ampére.

WhatsApp Image 2019-01-10 at 13.35.28

OPINIÃO

Inicialmente, fiz uma leitura dinâmica da obra do professor Inácio. Ela só poderia mesmo ter contado com suas digitais: perfeita em tudo! Na medida certa, desde o esmero, zelo e isenção na organização dos conteúdos, até o visual e a qualidade de impressão.

O professor Inácio sempre foi um visionário e obstinado na busca do desenvolvimento de Ampére, especialmente no ensino e na gestão pública municipal.

É provável que ele nem se lembre, mas sua monografia de encerramento de curso em Palmas/PR foi sobre os pioneiros de Ampére. Nela constou parte de um trabalho de escola deste jornalista que pesquisou os primeiros povoadores e sobre a origem do nome Ampére.

Teria surgido quando pescadores se viram no escuro devido a um raio que queimou a lâmpada de sua lanterna durante uma pescaria no rio que hoje leva esse nome. No escuro, olhando em direção ao rio e teriam dito: – “Nós aqui no escuro e aí na frete um rio com potencial para inúmeros ampères de corrente elétrica”!

GRATOS

Com certeza, mesmo que a saga do meu pai – Luiz José da Siva – no desbravamento e pioneirismo de Ampére por alguma razão fosse omitida nessa obra, este comentário aqui teria sindo no mesmo teor.

É que na análise de um trabalho literário, tão importante para os amperenses e para nossa família como este, jamais o analista poderia misturar eventuais questões pessoais.

O fato é que a família Silva sente-se honrada e orgulhosa de ver reconhecida a história pessoal e pública do político Luiz José da Silva. Ele foi decisivo na criação do município. Dono de três mandatos de vereador e de presidente da Câmara, prefeito interino por 60 dias e um servidor público de carreira que dedicou a vida à terra que ajudou a criar.

 

754f8cc6-53d5-4332-bdbc-1af43daf7a6f

A ata de criação do município de Ampére é de autoria de Luiz José da Silva, escrita por seu próprio punho.

Até que enfim ele vem sendo reconhecido, inclusive agora como nome de uma rua da cidade.

Obrigado!

………….

(*) El dorado é uma antiga lenda indígena da época da colonização da América e atraiu muitos aventureiros europeus. A lenda falava de uma cidade que foi toda feita de ouro maciço e ouro puro, apesar de ter muitos outros tesouros na cidade.

 

 

Luiz e Santina

eron2

Eron J Silva foi jornalistas político inspirado no pai