ERVA MATE DO PLANALTO NORTE DE SC É PRODUTO DE IDENTIDADE PRÓPRIA E VALOR INTRÍNSECO

ERVA MATE DO PLANALTO NORTE DE SC É PRODUTO DE IDENTIDADE PRÓPRIA E VALOR INTRÍNSECO

A ERVA MATE É O INGREDIENTE BÁSICO DO CHIMARRÃO

 

Essa bebida tem origem nos tempos das reduções jesuíticas, da região cisplatina (Rio Grande do Sul, Uruguai e Argentina).

 

A Erva-mate do Planalto Norte Catarinense recebeu nesta terça-feira, 24, Indicação Geográfica (IG) na categoria Denominação de Origem (DO). Esta é a sétima IG conquistada por Santa Catarina.

O registro de Indicação Geográfica é conferido pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI) a produtos ou serviços que são característicos do seu local de origem, o que lhes atribui reputação, valor intrínseco e identidade própria, além de os distinguir em relação aos seus similares disponíveis no mercado. (Fonte: Blog Olivete Salmoria/Lages-SC).

 

 

O estado de Santa Catarina já está no 7º produto com indicação geográfica; a maçã foi o anterior.

 

VEJA

FRUTICULTURA CATARINENSE TEM NOVA IG (INDICAÇÃO GEOGRÁFICA).

 

0-10

Cerimônia realizada no Clube Astrea, em São Joaquim, recentemente, marcou o lançamento da Indicação Geográfica (IG) da Maçã Fuji dessa Região.

O evento foi da Epagri, em parceria com a com a Associação de Produtores de Maçã e Pera (Amap) e o Sebrae, contando com a presença de muitas lideranças do setor.

A Maçã Fuji da Região de São Joaquim já é a sexta Indicação Geográfica (IG) conquistada por Santa Catarina. É uma certificação, na categoria Denominação de Origem (DO), que abrange uma área de 4.928 km² nos municípios de São Joaquim, Bom Jardim da Serra, Urupema, Urubici e Painel.

A conquista foi resultado do trabalho desenvolvida pela Epagri, Sebrae, UFSC e prefeituras, por meio de suas secretarias de agricultura, com apoio de produtores locais e de outras instituições, como a Cidasc. A solicitação foi apresentada ao INPI pela Associação de Produtores de Maçã e Pera de SC (Amap).

A Fuji está ao lado das maiores maçãs do mundo, abaixo.

 

7590414_x720

 

 

MAIS CEDO

SC tem a segunda indústria mais competitiva do Brasil

Santa Catarina tem a segunda indústria mais competitiva do Brasil, atrás apenas de São Paulo, mostra o Atlas da Competitividade da Indústria Catarinense.

A publicação inédita do Observatório FIESC foi lançada no Fórum Reinventa-SC, que a Federação das Indústrias (FIESC) promoveu nesta quarta-feira (25), Dia da Indústria e data que marca o 72° aniversário da entidade.

No encontro virtual, os painelistas destacaram que o estado deve aproveitar as mudanças na geografia da produção e ampliar o protagonismo na cadeia de insumos internacionais.

 

DIA 20 DE SETEMBRO É O DIA DO GAÚCHO – A data é emblemática para o RS e SC, estados que viveram a Revolução Farroupilha

 

1-662-335x152

 

É O PONTO MÁXIMO DA SEMANA FARROUPILHA DEVIDO AOS FATOS OCORRIDOS NESSE DIA. POR EXTENSÃO, DEVIDO AOS LAÇOS HISTÓRICOS, SC TAMBÉM COMEMORA A DATA

 

Parabéns à gauchada!

Hoje é o dia do Gaúcho e de quando foram celebrados os Ideais Farroupilhas.

Daí o sentido histórico da Semana Farroupilha.

No dia de hoje o Sul do Brasil comemora o Tratado que pôs fim à Revolução Farroupilha.  Em 18 de dezembro de 1.845 Dom Pedro II assinou decreto com as condições para o acordo de Poncho Verde, hoje município de Dom Pedrito, no Rio Grande do Sul.

Designou o Barão de Caxias para negociar a Paz de Poncho Verde, como ficou conhecido o tratado. Foi assinado o acordo no dia 1º de março de 1845. O dia de hoje foi escolhido como data histórica, devido aos acontecimentos da revolução nesse dia. No RS é feriado estadual. Nesse dia foram celebrados os Ideais Farroupilhas.

Nas fotos ao final desta matéria, um flagrante do acontecimento de todo dia 20 de setembro, na Ponte sobre o Rio Pelotas, na divisa de Santa Catarina com o Rio Grande do Sul. CTGs de Lages se encontram com os do RS e acendem o facho (tocha) da Chama Crioula. O fogo é mantido o ano todo numa localidade próximo a Santa Maria, às margens da rodovia que vai a Caçapava do Sul, que teve muita importância durante esse movimento. Chegou a ser uma espécie de capital.

 

ÍNTEGRA DO TRATADO DE PONCHO VERDE ESTÁ NO POST:

REVOLUÇÃO FARROUPILHA: O LEVANTE DO SUL CONTRA O IMPÉRIO.

 

ÍNTEGRA DO TRATADO DE PONCHO VERDE ESTÁ NO POST:

REVOLUÇÃO FARROUPILHA: O LEVANTE DO SUL CONTRA O IMPÉRIO.

 

~~~~~~~~~~

 

CHIMARRÃO: SÍMBOLO DE HOSPITALIDADE PARA O GAÚCHO

chimarrão

Não faz muito sentido tomar chimarrão sozinho, diz ele. É bebida amarga mas que tem sabor de solidariedade.

Numa roda de chimarrão entre amigos a distância ideal entre eles é o comprimento do braço. Barbosa Lessa e Paixão Cortes nos ensinaram isso.

O chimarrão é uma bebida amarga, mas que pode ser adoçada. Na versão amarga, simbolicamente, ele pode ser adoçado com a solidariedade. Aqui no Brasil é mais consumida no Rio Grande do Sul. Mas também faz parte da cultura e é muito apreciada nos Estados de Santa Catarina e do Paraná. Os outros três países do Cone Sul (Uruguai, Argentina e Paraguai) também a apreciam.

A história de sua origem é quase uma lenda, pois carece de comprovação científica. Pelo menos não encontrei. Dizem os estudiosos que o primeiro registro de humanos tomando chimarrão foi na beira do Rio Iguaçu, região de Foz do Iguaçu, divisa com o Paraguai. Índios tomavam chimarrão que foi batizado de Tererê, pois era com água fria, colhida no rio.

Autores que abordam o assunto o consideram um hábito cultural, muito importante, capaz de aproximar as pessoas. Logo, tem a função de estimular a amizades, aproximar pessoas, fazer amigos.

Na tradição gaúcha é um dos elementos mais presentes. Quase um ritual sagrado. É tão importante quanto o cavalo, a música, a dança, o acordeom, o CTG, o galpão, o fogo de chão e a fazenda.

A literatura mais recente é de José Atanásio Borges Pinto. Ele escreveu o Dicionário Poético Gaúcho Brasileiro. Nesse trabalho, dedicou duas páginas ao chimarrão.

Diz lá, em poesia: Chimarrão – diz-se do mate amargo. “Mateio vida e destino, nas horas de solidão, cravando os olhos, bem fundo, na cuia de chimarrão. Sarandeiam labaredas, neste meu fogo de chão e as lembranças caborteiras, misturam-se sorrateiras, no meu mate chimarrão”.

Em Espanhol – “Chimarrón que vas filtrando, em la magia de tu verde, el lucero que se pierde, y el alba que va llegando”.

Barbosa Lessa, em todas as suas obras, sempre reservou um espaço para falar do chimarrão. É um elemento que atravessa gerações, muito importante para cultivo da tradição gaúcha.

images

Região das Missões, entre RS, Uruguai e Argentina.



Politica de Privacidade!