Uma questão de falta de legitimidade

Uma questão de falta de legitimidade

Há políticos que tem dificuldade para decolar em seus projetos. Mesmo com muita insistência só conseguem pontuais lampejos de sucesso. Eles ainda não perceberam que é preciso legitimidade para merecer um final triunfal, uma apoteose.

Ocorre que muita gente embarca na esteira da onda e sai nos braços do oportunismo, com a ilusão de que enganarão a todos o tempo todo. Basta olhar para o palanque das lideranças ou para a mesa das autoridades, que vamos encontrar muita “liderança” (entre aspas) e com um ele minúsculo e muita “autoridade” (entre aspas) e com um a minúsculo.

É por isso que muita gente morre no exercício da profissão e outras morrem no exercício da enganação. Este segundo grupo passa o tempo todo patinando na pista da vida, andando em círculo e batendo no teto. Afinal, carecem de legitimidade.

Aqui em Lages temos gente pequena e gente média com esse problema. Também há gente muito grande que demorou a conseguir legitimidade. São pessoas que se iludem tanto, que até se imaginam o máximo. Que mentem tanto, que até elas acreditam nas suas mentiras.

Agora mesmo surgiram “lideranças” que por muito tempo não passarão de candidatos batendo no teto. Pode ser que de tanto insistir, repetir, repetir, ganhem peso de mantra e cheguem lá. Na Câmara de vereadores há exemplo disso. É só analisar a eleição da nova Mesa Diretora, em que alguns entraram na disputa da presidência, mas não levaram. Na próxima eleição para deputado estadual também veremos isso.