RECUPERAÇÃO DA BACIA DO RIO DOCE – Valores indenizatórios podem passar de 24 bilhões

RECUPERAÇÃO DA BACIA DO RIO DOCE – Valores indenizatórios podem passar de 24 bilhões

A empresa Samarco está destinando 4,4 bilhões em um prazo de três anos para compensação dos danos ambientais ocorridos com o rompimento da sua barragem destinada a manutenções de resíduos. Samarco era a dona dos serviços de explorações exercida na região para extração de minerais. A compensação deve ser feita, pois houve o derramamento de 32 milhões de metros cúbicos de lama e rejeitos de minérios no Rio Doce

Estão executando 38 frentes de projetos voltados para recuperação ambiental, socioeconômica, indenização e assistência a população. Após a aplicação deste valor no prazo de três anos (que tem seu final neste ano de 2018), será feita uma reavaliação e aplicação de um novo montante cotado em 20 bilhões, e que será distribuído em um prazo de 15 anos, sendo vistoriados pelo comitê interfederativo, formado por representantes federais, estaduais, municipais e do comitê de Bacia do Rio Doce.

O sistema ambiental e de recursos hídricos através do SOBRADE  (Sociedade Brasileira de Recuperação de Áreas Degradadas) vem trabalhando para implementação de tais etapas iniciais.

  1. Criação / recuperação de acessos (realizado);
  2. Cobertura inicial com gramíneas e leguminosas (realizado, atualmente recebendo manutenção);
  3. Recuperação dos tributários (em andamento – 58 recuperados de 92 mapeados);
  4. Reconformação e controle de erosão nas planícies (em andamento);
  5. Regularização das margens dos rios (em andamento);
  6. Revegetação das margens e planícies (a ser realizado após a execução dos itens 4 e 5);
  7. Plantio de agricultura (a ser realizado após a execução do item 4); 8. Plantio de mata ciliar (a ser realizado após a execução do item 6).