Coluna Eron J. Silva 15/02/18

Coluna Eron J. Silva 15/02/18

Lages terá maior fábrica de madeiras

Semana passada aconteceu o fato do ano. Foi assinado o protocolo de intenções da implantação em Lages da segunda fábrica da Berneck em SC. Será igual à de Curitibanos, que já é a maior fábrica de produção de madeiras (placas de MDF) da América Latina. O investimento em Lages será de R$ 800 milhões e a unidade vai gerar 550 empregos diretos e mais de 1.500 indiretos. Vai processar matéria prima de um raio de 100 km e estará pronta em 2020, disse o seu presidente Gilson Berneck. O lançamento foi no ato do Governo do Estado e do Município, no teatro Marajoara, na semana passada. A Berneck nasceu no Sudoeste do Paraná, sua matriz é em Araucária/PR e tem uma unidade no Mato Grosso e a de Curitibanos.

 

foto 2

Privatização da BR-282 vem mesmo

Sem dinheiro para investir em infra-estrutura, o Governo federal não terá saída: vai ter de partir para as privatizações em massa das rodovias. Para nossa região, mesmo isto significando um custo a mais no bolso do povo com o pedágio, vai ser a salvação do fluxo de gente em de Lages. É que a BR-470 está sendo duplicada e privatizada. Logo, todo o tráfego do Oeste não irá mais passa pela BR-282, conseqüentemente por Lages. Isso significa que passaremos a viver novamente um isolamento. A BR-282 já tem suas limitações e sem tráfego tenderá a ficar no abandono.

 

foto 3

Entidades deverão lutar pela representação

Historicamente a ACIL, a CDL e a AMURES sempre se empenharam na campanha pelo voto regional. A Serra já chegou a reaver a força política do passado, apesar de que hoje só tem dois deputados estaduais e um federal. Mas tem o governador. A ACIL, hoje presidida por Sadi Montemezzo, deveria novamente comandar esse processo. É uma das entidades de credibilidade. Já fez isso com muita competência. Ao seu lado poderiam estar a CDL, que tem prestígio no Comércio e a Amures que tem a força dos prefeitos. É preciso pensar logo nisso, pois próxima eleição vai ser uma briga de foice. Haverá, ainda, a questão da revolta do eleitor, com razão. A classe política deixou muito a desejar. A conscientização será importante.