SÉRGIO MORO – Este será quase unanimidade nacional

SÉRGIO MORO – Este será quase unanimidade nacional

Alguns magoados e invejosos que sentem dor pela alegria alheia muitas vezes já perguntaram se o Sérgio Moro é um juiz, um astro de cinema ou uma celebridade de TV.  A referência, a insinuação maldosa e a ironia tem tudo a ver com o assédio e o tumulto que o juiz causa devido à repercussão e o sucesso de sua atuação.

Por onde passa, o magistrado causa até furor entre os atingidos pelas suas decisões e excesso de alegria entre as pessoas porque é o homem responsável pela maior revolução no comportamento dos agentes públicos e nas suas futuras relações com o setor privado.

É o significado emblemático da operação Lava Jato que fará com que a Justiça e o Brasil sejam uma coisa antes e outra depois dela. Nós precisamos crescer muito para chegar perto do nível e da qualidade e preparo pessoal de um Sérgio Moro.

Ele, sem querer parecer simpático, nem bajulador barato, é uma daquelas pessoas que nascem de 100 em 100 anos. Daquelas que vão demorar a surgir novamente. É um cidadão que deixa muito pouco em termos de reparo na conduta. Quase perfeito em tudo.

Eu assisti com atenção redobrada à entrevista que concedeu ao Canal Livre da Band. Não é preciso nem falar de todo o meu orgulho de ser natural do mesmo Estado dele. Já bastaria o fato de ele ser um brasileiro que já brilha mundo afora, mostrando que ainda não está tudo perdido.

O que mais me chamou a atenção foi constatar de vez o que eu já maginava: ele é um brasileiro que nos passa a sensação de sinceridade no que diz, credibilidade nos princípios, dá-nos segurança de que não está agindo com demagogia, nem com estrelismo. Que não deixa dúvidas de que as decisões são para o bem do Brasil e não para agradar à torcida. Ele é um belo exemplo às crianças que serão os brasileiros do futuro e um modelo a ser seguido. É uma referência.

Magistrado Sérgio Moro, obrigado por Sr existir para nos dar a honra de nos representar com dignidade e espinha ereta por todo lugar que passa! Por o Sr nos dar a satisfações de podermos saber que ainda existirem brasileiros desse quilate.