Bem Vindo, visitante! [ Cadastre-se | EntrarRSS Feed  | 

Facebook Twitter email

Nenhum banner para exibir

Anunciar Empresa
ESTAMOS ATRASADOS NA EDUCAÇÃO E PREDESTINADOS A CRESCER – Já conquistamos nossa Independência 50 anos após Estados Unidos.

ESTAMOS ATRASADOS NA EDUCAÇÃO E PREDESTINADOS A CRESCER – Já conquistamos nossa Independência 50 anos após Estados Unidos.

NOSSOS ELDORADOS PARA INVESTIDORES EXTERNOS: INFRAESTRUTURA, FORMAÇÃO DE PESSOAS 4.0, SANEAMENTO E ENERGIA LIMPA. Editorial da Semana BRASIL, O FILÉ DAS AMÉRICAS
CHOQUES NAS GERAÇÕES ATRAVÉS DAS CULTURAS COLONIAIS – Contrastes entre as colonizações da América do Norte e a do Sul/Brasil.

CHOQUES NAS GERAÇÕES ATRAVÉS DAS CULTURAS COLONIAIS – Contrastes entre as colonizações da América do Norte e a do Sul/Brasil.

AS LÁ DE CIMA FORAM BASEADAS NO TRABALHO E AS DAQUI DE BAIXO NA FÉ PREGADA POR CATÓLICOS. CONSEGUIRAM A
MINISTRO ENFRENTOU FERAS EM DAVOS E AQUI DENTRO – No Brasil está comprovado: reformas já trazem esfeitos positivos:

MINISTRO ENFRENTOU FERAS EM DAVOS E AQUI DENTRO – No Brasil está comprovado: reformas já trazem esfeitos positivos:

MELHOR ÍNDICE DE EMPREGOS EM 6 ANOS E FMI REVÊ PARA CIMA CRESCIMENTO DE NOSSO PIB. POUCO SE FALOU DISSO
NÃO DEVEMOS ULTRAPASSAR NOSSAS METAS E LIMITES – Comissão de Ética aprova suspensão de “Boca aberta” por 6 meses.

NÃO DEVEMOS ULTRAPASSAR NOSSAS METAS E LIMITES – Comissão de Ética aprova suspensão de “Boca aberta” por 6 meses.

DECISÃO PRECISA PASSAR EM PLENÁRIO, MAS DEPUTADO PODE VIVER EXPERIÊNCIA DE ÍCARO: QUE ULTRAPASSOU LIMITES E METAS. A Comissão de Ética
COLÉGIO ADVENTISTA DE CRICIÚMA ESTÁ PRONTO PARA AS AULAS – Neste domingo mais uma vez foi aberto para visitas e atividades festivas.

COLÉGIO ADVENTISTA DE CRICIÚMA ESTÁ PRONTO PARA AS AULAS – Neste domingo mais uma vez foi aberto para visitas e atividades festivas.

HOUVE BRINCADEIRAS E BARRAQUINHAS PARA AS CRIANÇAS E VISITAÇÃO POR PARTE DO PÚBLICO. PARA OS PAIS, ATENDIMENTO DE CONFIRMAÇÃO DE
PARQUES E EQUIPAMENTOS DE ESPORTE E LAZER – Maior investimento em saúde de uma cidade

PARQUES E EQUIPAMENTOS DE ESPORTE E LAZER – Maior investimento em saúde de uma cidade

TROQUE O TRATAMENTO QUÍMICO PELAS PORÇÕES DE SOL, ÁGUA E AR EM UMA CAMINHADA OU NUMA QUADRA ESPORTIVA. Já pensou em
DEPUTADO “BOCA ABERTA” É ESPANCADO POR VEREADOR – Veja a incrível história do ex-vereador que virou deputado e agora apanha de ex-colega.

DEPUTADO “BOCA ABERTA” É ESPANCADO POR VEREADOR – Veja a incrível história do ex-vereador que virou deputado e agora apanha de ex-colega.

Boca Aberta propõe lei que obriga políticos a usarem o SUS Um projeto de lei do deputado federal Boca Aberta (PROS-PR) pretende obrigar
OPINIÃO DO SITE. MINISTRO DISSE TUDO: Pobreza é mesmo um adicional nos problemas do meio ambiente.

OPINIÃO DO SITE. MINISTRO DISSE TUDO: Pobreza é mesmo um adicional nos problemas do meio ambiente.

FALTA RIQUEZA PARA INVESTIMENTOS NA ALTERAÇÃO DO NOSSO MODELO DE PRODUÇÃO RURAL E OCUPAÇÃO DO SOLO URBANO. Chuvas em BH e

GERAÇÕES QUE SE DESPEDEM DEIXAM ENORME LEGADO – Os brasileiros nascidos em 40, 50 e 60 estão se despedindo com o dever cumprindo.


eron2
Esta postagem foi publicada em 4 de junho de 2019 Administração, Notícias, Notícias em Destaques Slide Topo, Política.

A OPINIÃO DA SEMANA AQUI DO PORTAL HOMENAGEIA ESSAS EDIÇÕES DE BRASILEIROS.

EDITORIAL:

Para cada um que nasce o prazo de validade profissional e de vida plena é dentro de uma certa média. Então essas gerações 40, 50 e 60, aos poucos, estão indo pra casa do trabalho e depois da vida. Como está nas reflexões que circulam nas redes, “estas foram edições limitadas de brasileiros”. Nós aqui acrescentamos que seus principais méritos foram na determinação para enfrentar desafios, além do respeito às regras e o amor ao próximo, muito bem citados na Internet.

Esses aprenderam a ser patriotas, foram decisivos na implantação da produção industrial mais moderna e participaram ativamente da organização institucional e estrutural do Brasil, inclusive na interiorização do nosso desenvolvimento. E tudo foi num tempo em que sempre lhe restou o caminho mais difícil e na busca do conhecimento foi quase só na escola pública.

Seu tempo foi o que, por exemplo, nem existia merenda nas redes dos ensino. Mas lá não e via essa violência de hoje que põe professores e gestores em tratamento psicológico ou até no hospital. Os pais  não terceirizavam à escola a educação que é de responsabilidade do berço.

Também nem existiam tantos programas de acesso às universidades ou financiamentos para pagar cursos em algumas faculdades privadas. Tampouco havia, por parte da família, farta mesada para custeio de suas necessidades pessoais básicas. Muito menos pensar num simples happy hour ou nas atividades sociais que são importantes para a integração e o relacionamento para o aprimoramento da vida acadêmica e a convivência em sociedade.

Ainda bem que as gerações que estão pegando o bastão tem a seu dispor um brutal avanço tecnológico, enorme rapidez na informação e mais garantias constitucionais de que a Educação é uma obrigação do Estado.

Esses instrumentos e preceitos agregam muito ao seu maior poderio intelectual. Por isso e pela evolução das civilizações é que, provavelmente, farão bem melhor o futuro que os que se despedem foram capazes de projetar.

Tomara que os sucessores aprendam com os quarentões, cinquentões e sessentões que ninguém é uma ilha e que a sua liberdade termina onde começa a do outro. Assim, os que se despedem daqui em diante, não se sentirão tristes e sim orgulhosos do que legaram!

ERON PORTAL

Texto: Eron J Silva.

……………

ANEXO

UM TEMPO EM QUE ESTUDANTE SÓ COMIA CARNE QUANDO MORDIA A LÍNGUA.

Este jornalista, articulista do Editoral acima, foi testemunha ocular, até mesmo participante das dificuldades que as gerações 40, 50 e 60 enfrentaram, tanto para os estudos, como na participação da implantação da indústria mais moderna e da organização institucional e estrutural do Brasil, ou seja: do futuro da Nação.

Em seu tempo e vida acadêmica não foi muito diferente. Nos anos 70, os tempos ainda eram bicudos para o estudante. Se havia um pouco mais de condições para se manter, devido à maior oferta de trabalho, especialmente o noturno, era um desafio estudar.

Em seu tempo e onde estudou, também foi privado de boas condições para suprir necessidades básicas, eté mesmo as alimentares. Se de um lado já havia o RU – Restaurante Universitário, de outro, um happy hour ou festa de relacionamento acadêmico eram coisas raras.

A gente lembra que comer um farto churrasco ou um bife mas refinado era algo raro. Ainda assim, só em aniversários de colegas mais abastados, participantes de equipes de trabalho acadêmico, ou em raras oportunidades de eventos excepcionais.

Lembramos de oportunidades em que a churrascada inesperada até judiava do maxilar inferior, que não estava muito acostumado a saborear esse alimento. É mais uma prova de que também o estudante de antes dos anos 70 e 80 só comia carne quando mordia a língua.

Mais uma razão para o Editorial acima, uma vez que poucos tem ideia do quão difícil era o tempo de estudo nos anos 50, 60 e 70 quando esses brasileiros da geração limitada foram acadêmicos.

Eron J Silva.


158 Visualizações

Nenhum banner para exibir

Coluna Eron J. Silva



-