Bem Vindo, visitante! [ Cadastre-se | EntrarRSS Feed  | 

Facebook Twitter email

Anunciar Empresa
O HOMEM DEVERIA APRENDER MAIS COM OS ANIMAIS – Estes amam e não abandonam o semelhante. Até morrem por ele, se for preciso.

O HOMEM DEVERIA APRENDER MAIS COM OS ANIMAIS – Estes amam e não abandonam o semelhante. Até morrem por ele, se for preciso.

Homem constrói muros e fecha portas para excluídos. Excluídos por culpa dele mesmo. Não dá ouvidos a fugitivos de desastres
AS BEM HUMORADAS DO FRIO NO ERON PORTAL – Escolheu morar no Sul, então aguenta o repuxo!

AS BEM HUMORADAS DO FRIO NO ERON PORTAL – Escolheu morar no Sul, então aguenta o repuxo!

SE FOR TURISTA, NÃO TE MIXA, LAGARTIXA! Toma um mate ou um café bem quente! Taca a chicolateira na brasa
FRIO CHEGOU ÀS SERRAS GAÚCHA E CATARINENSE – Nos pontos mais altos já está abaixo de zeroºC. – Urupema/SC virou quase um freezer no Morro das Torres. Pode nevar lá hoje.

FRIO CHEGOU ÀS SERRAS GAÚCHA E CATARINENSE – Nos pontos mais altos já está abaixo de zeroºC. – Urupema/SC virou quase um freezer no Morro das Torres. Pode nevar lá hoje.

Começou a chover a partir das 4 da manhã em Lages. É esperado muito vento nesta manhã. Mesmo com um inverno
CÂMARA DE VEREADORES DE LAGES/SC APROVA LEI REVOLUCIONÁRIA – Marido que bater na mulher pode ter uma pena a mais.

CÂMARA DE VEREADORES DE LAGES/SC APROVA LEI REVOLUCIONÁRIA – Marido que bater na mulher pode ter uma pena a mais.

Essa punição suplementar será o impedimento de ser contratado como servidor da Casa. Saiba mais a seguir. Projeto de Lei do
QUANDO ESTOURAR A NOVA LAVA JATO SERÁ UM DEUS ACUDA – Lava Câmbio e Lava Prato Feito são munições de uma bomba de potencial incalculável

QUANDO ESTOURAR A NOVA LAVA JATO SERÁ UM DEUS ACUDA – Lava Câmbio e Lava Prato Feito são munições de uma bomba de potencial incalculável

Muita gente já sabe que estão evolvidos na "Operação Câmbio" uns 33 doleiros e que a Operação Prato Feito é
MINISTRO QUER UM TIRO DE CANHÃO NOS PRIVILÉGIOS E NO DÉFICIT – Mas, se deixar a classe política faz virar num tiro de espingarda.

MINISTRO QUER UM TIRO DE CANHÃO NOS PRIVILÉGIOS E NO DÉFICIT – Mas, se deixar a classe política faz virar num tiro de espingarda.

Além do efeito sanfona - avança e recua - a PEC da Previdência sofre alterações e cortes que são justificados
SISTEMA FOREVER ÁGUIAS BRASIL – Ontem foi dia de Workshop e muito conhecimento de produtos e negócios.

SISTEMA FOREVER ÁGUIAS BRASIL – Ontem foi dia de Workshop e muito conhecimento de produtos e negócios.

Mais de uma centena de empreendedores participaram, desde às 18:30 h. Foram gerentes, assistentes de gerentes, empreendedores ativos e coordenadores dos
BEM HUMORADAS DO FUTEBOL NO ERON PORTAL – Ainda nem passamos pelo Paraguai e já há torcedor pensando na Argentina!

BEM HUMORADAS DO FUTEBOL NO ERON PORTAL – Ainda nem passamos pelo Paraguai e já há torcedor pensando na Argentina!

E parte da crônica também entra na arrogância. Esquece que melhor que a Argentina ainda existe uma Colômbia e um

PREÇO DO FEIJÃO DISPARA – PODE SER PORQUE A PRODUÇÃO IDEAL É CÍCLICA – Safras sempre dependem do clima, do mercado e de um consumo estável.


feijão-2 capa
Esta postagem foi publicada em 28 de março de 2019 Administração, Notícias, Notícias em Destaques Slide Topo, Política.

É BEM PROVÁVEL QUE AUMENTE O PLANTIO NA PRÓXIMA SAFRA E AÍ O PREÇO CAIA POR SUPER OFERTA. AÍ VEM NOVA CRISE, MAS PELO PREÇO BAIXO.

DEVIDO À OFERTA IRREGULAR DO GRÃO, DEMAIS NUM PERÍODO E DE MENOS NOUTRO, OCORRE A ALTERNÂNCIA COM OUTRAS CULTURAS. DAÍ EXISTEM ALTOS E BAIXOS NO PREÇO.

Nos últimos anos a oferta de feijão caiu porque os produtores preferiram plantar a soja para exportação. Hoje o feijão de cor chega a custar R$ 15,00 o KG.

E o feijão preto, o preferido para a feijoada, só é encontrado aquele do estoque velho, que nem cozinha direito.

HISTÓRICO

Há épocas que o feijão é tão caro que chega a ser a preço de ouro. Isso já até já motivou ladrões para a colher lavouras na calada da noite.

Por essas razões e porque o feijão é cereal produzido e consumido em poucos países é que ele está ameaçado de extinção. Até porque seu preparo é difícil, demorado e a dona de casa é cada vez mais ocupada e faz culinária dentro da modernidade e das tendências.

Baseado nisso é que técnicos alertam para o fato de que o feijão para o consumo é um cereal em extinção. Entre os poucos países que o consomem e o produzem é por tradição: apenas o Brasil e o México. E é produzindo nesses dois, mais a Venezuela.

O que ainda dá certa procura no exterior é o seu consumo em determinados restaurantes de brasileiros. Nossa culinária tradicional tem dois produtos competitivos lá fora: a feijoada e o churrasco na brasa.

Mas no Brasil o feijão vale ouro.

O feijão, especialmente para a feijoada, é um cereal que vale muito. Recentemente aconteceu um fato inusitado. Uma lavoura de feijão foi colhida na madrugada. O produto estava sumido e valia muito dinheiro.

……………

O QUE DEMOS ANTES

 

Feijão está tão caro que ladrões já colhem lavouras na calada da noite

 

Quadrilha furta o grão até no pé. Produtores temem novos custos de produção com vigias noturnos. Aqui no Sul o plantio começa em agosto e fatos ocorridos no Centro do País chamam a atenção: o furto em celeiros e até colheita de lavouras na calada da noite.

 

É inacreditável, mas aconteceu. Produtores de feijão do Centro do País enfrentaram uma situação no mínimo curiosa, inusitada e inesperada: o furto de feijão na lavoura.

Até hoje o furto e o roubo no campo eram comuns em fazendas de gado, suínos e eqüinos. Era uma questão de valor. Para compensar o risco e a dificuldade, em qualquer furto existem produtos, mercadorias, bens ou animais visados.

O furto de feijão era algo raro, quase inexistente, devido ao grau de dificuldade de acesso e o valor antes irrisório do grão. Mesmo nos celeiros não era comum, porque geralmente o cereal é acomodado a granel e há dificuldades naturais no acesso às sedes das propriedades. Geralmente as estradas são ruins, existem cães, arame farpado, escuridão e isolamento.

Acontece que nos últimos tempos o feijão passou a ser uma raridade e seu valor, quando há escassez, é quase a peso de ouro. Então passou a valer a pena correr o risco e desafiar as dificuldade para conseguir o produto.

Houve um caso em que o produto estava “dando sopa”, acomodado em sacarias em galpões de fácil acesso. Quadrilhas levaram centenas de sacas de uma só vez.

O fato mais curioso foi a colheita de uma lavoura à noite. Arrancaram os pés, carregaram às pressas, inclusive a máquina colheitadeira, e provavelmente foram processar em outro local. Vejam o valor do feijão, às vezes, que justifica uma operação tão complicada e uma logística tão difícil, penosa e arriscada.

Furtar feijão para o consumo de um ano de uma família ou de algumas cozinhadas, como diria a cozinheira, até seria compreensível. Agora, furtar uma lavoura de alguns hectares é algo inédito, espantoso.

É preciso know-how e envolve muito tempo para todo o processo. Somente é viável com a ajuda de gente especialista em colheita e conhecedora de toda a rotina da propriedade.

Safra na região

Aqui no Sul estamos quase na entre safra do feijão. Quem plantou já colheu e já vendeu. Conheço produtor que “se encheu da gaita” em São José do Cerrito e Campo Belo do Sul, porque as 300 e 500 sacas foram disputadas a tapa pelos compradores.

Com a tendência de preço em alta é bem provável que este ano o plantio seja um pouco maior. Quando chegar a colheita, certamente o risco de furto também rondará por aqui.

Falei com produtores experientes no assunto – que não quiseram se identificar por questões óbvias – e concordam que será preciso cuidados especiais na segurança das lavouras daqui em diante, com esse valor de ouro do grão.

Será mais um fator de custo de produção. Como o vigia à noite é mão de obra com adicional noturno, certamente causará significativo impacto no custo de produção.

A curiosidade do pessoal especializado em lavouras é saber como os ladrões conseguiram tanta gente para executar a operação da colheita noturna em lavouras. Certamente só foi motivada pelo atual preço do feijão. Provavelmente viabilizaram tão complexa operação com permuta do grão pelo trabalho.

A pergunta que não quer calar, entre o pessoal entendido no assunto colheita, é como foi possível mobilizar tanta gente para colher feijão. É tão difícil recrutar para trabalhar de dia, imagina para uma operação destas à noite. Haja motivação!


529 Visualizações

Nenhum banner para exibir

Coluna Eron J. Silva



-