Bem Vindo, visitante! [ Cadastre-se | EntrarRSS Feed  | 

Facebook Twitter email

Nenhum banner para exibir

Anunciar Empresa
VEJA PARTE DA HISTÓRIA DA CONSTRUÇÃO DA ESTRADA CORVO BRANCO/sc – “Estamos tingindo de preto as asas brancas do corvo”.

VEJA PARTE DA HISTÓRIA DA CONSTRUÇÃO DA ESTRADA CORVO BRANCO/sc – “Estamos tingindo de preto as asas brancas do corvo”.

ESSA CONSTRUÇÃO FOI MAIS UM DOS DESAFIOS DA ENGENHARIA À NATUREZA. ELA PASSA POR UM SANTUÁRIO ECOLÓGICO DE GRÃO PARÁ.
FÓRUM PARLAMENTAR/SC FOI À ANTT DISCUTIR CONCESSÃO DA 101 – Amin e FECAM integraram essa comitiva.

FÓRUM PARLAMENTAR/SC FOI À ANTT DISCUTIR CONCESSÃO DA 101 – Amin e FECAM integraram essa comitiva.

O senador Esperidião Amin participou da reunião do Fórum Parlamentar Catarinense com a Diretoria da ANTT, em Brasília. Objetivo foi
UM SONHO DA SERRA DO RIO DO RASTRO – UM TELEFÉRICO LIGANDO SIDERÓPOLIS AO MIRANTE DE BOM JARDIM..

UM SONHO DA SERRA DO RIO DO RASTRO – UM TELEFÉRICO LIGANDO SIDERÓPOLIS AO MIRANTE DE BOM JARDIM..

PENSADO NO GOVERNO CATARINENSE PASSADO, O PROJETO INTERESSOU A INVESTIDORES EXTERNOS. MAS AGORA ESTÁ FORA DA PAUTA DO TURISMO DE
OBRAS DAS RODOVIAS CATARINENSES TEM AS DIGITAIS E AMIN – BR 282 e Esterada da Serra do Rio do Rastro foram seus desafios.

OBRAS DAS RODOVIAS CATARINENSES TEM AS DIGITAIS E AMIN – BR 282 e Esterada da Serra do Rio do Rastro foram seus desafios.

GOVERNADOR POR DUAS VEZES, O ATUAL SENADOR ESPERIDIÃO AMIN SEMPRE FOI UM APAIXONADO POR RODOVIAS. DESDE OS TEMPOS DE SECRETÁRIO
A MULHER NA POLÍTICA – A força da bancada do batom continua em alta em Santa Catarina.

A MULHER NA POLÍTICA – A força da bancada do batom continua em alta em Santa Catarina.

URUPEMA - NA SERRA CATARINENSE - DEVE SER O MUNICÍPIO COM A MAIOR BANCADA FEMININA. São quatro as vereadoras que estão
BASTIDORES DO INDICIAMENTO DE JULIO GARCIA EM IMAGENS – Maioria do público da terça, 15, nos arredores do plenário da ALESC, era de repórteres.

BASTIDORES DO INDICIAMENTO DE JULIO GARCIA EM IMAGENS – Maioria do público da terça, 15, nos arredores do plenário da ALESC, era de repórteres.

PRESIDENTE DO PODER GARANTE QUE VIVERÁ UM CALVÁRIO ATÉ O STF, MAS PROVARÁ OS EQUÍVOCOS DESSA INVESTIGAÇÃO ALCATRAZ EM RELAÇÃO
AUDIÊNCIA PÚBLICA DISCUTE PROJETO QUE BENEFICIA 60% DOS MUNICÍPIOS – A matéria é do deputado Jerry Comper, presidente da comissão de assuntos municipais/SC.

AUDIÊNCIA PÚBLICA DISCUTE PROJETO QUE BENEFICIA 60% DOS MUNICÍPIOS – A matéria é do deputado Jerry Comper, presidente da comissão de assuntos municipais/SC.

PROJETO PROPÕE ALTERAÇÃO NA DISTRIBUIÇÃO DE RECURSOS AOS MUNICÍPIOS. OS MENORES, UNS 60%, SERIAM OS MAIS BENEFICIADOS. Atualmente o bolo do
EDITORIAL –  É importante se criar municípios? Qual o efeito disso no retorno dos impostos?

EDITORIAL – É importante se criar municípios? Qual o efeito disso no retorno dos impostos?

HOJE A DIVISÃO DO BOLO ARRECADADO NO ICMS É DE PARTE IGUALMENTE A TODOS E PARTE COM BASE NO MOVIMENTO

DEPENDÊNCIA DAS ESTRADAS E DOS CAMINHONEIROS – Governo anuncia política sustentável aos profissionais da estrada.


PhotoGrid_1527031917019
Esta postagem foi publicada em 16 de abril de 2019 Administração, Notícias, Notícias em Destaques Slide Topo, Política.


 

É CORRETO A GENTE AFIRMAR QUE NOSSA DEPENDÊNCIA DAS ESTRADAS É UM LEGADO DE QUEM PENSOU UM PAÍS SOBRE PNEUS.

Fazia tempo que a gente não via um anúncio de medidas não apenas paliativas, mas que procurem resolver o problema a que se destinam.

No caso do anúncio de hoje para os caminhoneiros foi um exemplo de que o Governo Federal está pensando mesmo em uma solução sustentável para o problema da dependência extrema das estradas por parte de nossa Economia. Para ser mais claro: a dependência dos caminhoneiros.

O Governo pensou medidas em cinco frentes principais: a melhoria da infraestrutura, a lucratividade do frete, o crédito, nos gastos com os combustíveis e segurança e conforto dos profissionais.

ANEXO

REFLEXÃO HISTÓRICA DOS TRANSPORTES E DA INFRAESTRUTURA DO BRASIL.

De Juscelino pra cá os sucessores só pensaram num transporte sobre pneus.

Não é que a gente seja anti carro, anti caminhão e anti JK. Ao contrário, JK foi um exemplo de presidente determinado e que acertou em quase tudo. Única coisa que não foi pensada pelos sucessores, foi em um equilíbrio em relação aos transportes e não houve continuidade no incentivo a ferrovias, hidrovias e navegação costeira.

Com a dependência em tudo dos veículos, o automóvel passou a ser o sonho de consumo de todo brasileiro comum. Tudo começou com a necessidade de incentivar o uso do automóvel. Foi quando ficamos sobre quatro pneus.

O resultado foi que é cada vez maior a dependência do veículo automotor. Consequentemente, o poder dos agentes do setor de transportes também. Dos caminhoneiros, então, nem se fala.

Desde o plano de metas de JK e de seu desafio de crescer 50 anos em cinco que vivemos esse problema em relação ao petróleo. A dependência da Economia do Brasil dele é tanta que no passado já foi considerado o maior vilão da inflação.

Desde Juscelino que o automóvel é moda, demonstração de boa situação financeira e status. Enfim, as muletas do brasileiro. Em consequência, se observarmos bem, tudo depende dos combustíveis. Do automóvel ao caminhão de carga e o de transporte de massa.

Sem falar na estrutura montada para o veículo automotor: a refinaria, a distribuição, a rede de postos, os empregos e até os impostos que seguram a barra do governo, dos estados e dos municípios.

É uma estrutura que nos amarra e nos torna reféns. Experimenta lançar só carro elétrico! É só gritaria, quebradeira e desemprego.

Com relação aos impostos, toda vez que você coloca gasolina no tanque, mais de a metade é para os impostos e margem de lucros da cadeia. É por isso que o Brasil exporta gasolina excedente por um terço do preço. É porque esse é o preço sem os impostos.

Tudo porque o País vem desde os anos 60 montando uma estrutura sobre pneus.  É a dependência do automóvel, do caminhão de carga e dos veículos de transporte de massa que é cada vez maior.


347 Visualizações

Nenhum banner para exibir

Coluna Eron J. Silva



-