Bem Vindo, visitante! [ Cadastre-se | EntrarRSS Feed  | 

Facebook Twitter email

Nenhum banner para exibir

Anunciar Empresa
VEJA PARTE DA HISTÓRIA DA CONSTRUÇÃO DA ESTRADA CORVO BRANCO/sc – “Estamos tingindo de preto as asas brancas do corvo”.

VEJA PARTE DA HISTÓRIA DA CONSTRUÇÃO DA ESTRADA CORVO BRANCO/sc – “Estamos tingindo de preto as asas brancas do corvo”.

ESSA CONSTRUÇÃO FOI MAIS UM DOS DESAFIOS DA ENGENHARIA À NATUREZA. ELA PASSA POR UM SANTUÁRIO ECOLÓGICO DE GRÃO PARÁ.
FÓRUM PARLAMENTAR/SC FOI À ANTT DISCUTIR CONCESSÃO DA 101 – Amin e FECAM integraram essa comitiva.

FÓRUM PARLAMENTAR/SC FOI À ANTT DISCUTIR CONCESSÃO DA 101 – Amin e FECAM integraram essa comitiva.

O senador Esperidião Amin participou da reunião do Fórum Parlamentar Catarinense com a Diretoria da ANTT, em Brasília. Objetivo foi
UM SONHO DA SERRA DO RIO DO RASTRO – UM TELEFÉRICO LIGANDO SIDERÓPOLIS AO MIRANTE DE BOM JARDIM..

UM SONHO DA SERRA DO RIO DO RASTRO – UM TELEFÉRICO LIGANDO SIDERÓPOLIS AO MIRANTE DE BOM JARDIM..

PENSADO NO GOVERNO CATARINENSE PASSADO, O PROJETO INTERESSOU A INVESTIDORES EXTERNOS. MAS AGORA ESTÁ FORA DA PAUTA DO TURISMO DE
OBRAS DAS RODOVIAS CATARINENSES TEM AS DIGITAIS E AMIN – BR 282 e Esterada da Serra do Rio do Rastro foram seus desafios.

OBRAS DAS RODOVIAS CATARINENSES TEM AS DIGITAIS E AMIN – BR 282 e Esterada da Serra do Rio do Rastro foram seus desafios.

GOVERNADOR POR DUAS VEZES, O ATUAL SENADOR ESPERIDIÃO AMIN SEMPRE FOI UM APAIXONADO POR RODOVIAS. DESDE OS TEMPOS DE SECRETÁRIO
A MULHER NA POLÍTICA – A força da bancada do batom continua em alta em Santa Catarina.

A MULHER NA POLÍTICA – A força da bancada do batom continua em alta em Santa Catarina.

URUPEMA - NA SERRA CATARINENSE - DEVE SER O MUNICÍPIO COM A MAIOR BANCADA FEMININA. São quatro as vereadoras que estão
BASTIDORES DO INDICIAMENTO DE JULIO GARCIA EM IMAGENS – Maioria do público da terça, 15, nos arredores do plenário da ALESC, era de repórteres.

BASTIDORES DO INDICIAMENTO DE JULIO GARCIA EM IMAGENS – Maioria do público da terça, 15, nos arredores do plenário da ALESC, era de repórteres.

PRESIDENTE DO PODER GARANTE QUE VIVERÁ UM CALVÁRIO ATÉ O STF, MAS PROVARÁ OS EQUÍVOCOS DESSA INVESTIGAÇÃO ALCATRAZ EM RELAÇÃO
AUDIÊNCIA PÚBLICA DISCUTE PROJETO QUE BENEFICIA 60% DOS MUNICÍPIOS – A matéria é do deputado Jerry Comper, presidente da comissão de assuntos municipais/SC.

AUDIÊNCIA PÚBLICA DISCUTE PROJETO QUE BENEFICIA 60% DOS MUNICÍPIOS – A matéria é do deputado Jerry Comper, presidente da comissão de assuntos municipais/SC.

PROJETO PROPÕE ALTERAÇÃO NA DISTRIBUIÇÃO DE RECURSOS AOS MUNICÍPIOS. OS MENORES, UNS 60%, SERIAM OS MAIS BENEFICIADOS. Atualmente o bolo do
EDITORIAL –  É importante se criar municípios? Qual o efeito disso no retorno dos impostos?

EDITORIAL – É importante se criar municípios? Qual o efeito disso no retorno dos impostos?

HOJE A DIVISÃO DO BOLO ARRECADADO NO ICMS É DE PARTE IGUALMENTE A TODOS E PARTE COM BASE NO MOVIMENTO

CAI MAIS UMA DITADURA IDEOLÓGICA – Cuba dependia até da Venezuela/Elegeu novo presidente


Cuba carros n
Esta postagem foi publicada em 18 de abril de 2018 Notícias, Notícias em Destaques Slide Topo.

Uma das reportagens campeãs de audiência aqui no eronportal.com.br foi sobre os projetos mais duradouro da História: os 40 anos de Moisés no deserto, a URSS; o regime de Fidel Castro em Cuba e as tentativas de fazer o mesmo aqui no Brasil e na Venezuela.

Nossa tese é a de que os governos populistas com ditaduras ideológicas duram até acabar com as gorduras econômica e reservas do País e o dinheiro alheio. Desde o Império Romano que os impérios e ditaduras ideológicos vem caindo porque sempre esbarram na questão econômica. São regimes que premiam a acomodação, a ma-qualidade na indústria e a inoperância. Isso não acompanha o ritmo alucinante das economias de hoje.

Cuba – a ilha da fantasia e vitrine comunista no Ocidente – vivia de mesadas anuais. Uma delas era em torno de U$ 5 milhões por ano, dada pela URSS. Ultimamente, mesmo agonizante, o regime insistia em sobreviver já aos 59 anos de idade.

Raúl Castro Castro substituiu o irmão Fidel e começou a abrir o País porque não havia mais como sobreviver isolado. Nos últimos tempos, restava apenas a ajuda de Chaves e depois Mduro na Venezuela e, pasmem, até do Brasil, que no Governo Lula andou financiando portos por lá.

A Venezuela, enquanto ainda tinha fôlego, fornecia combustível mais barato para fazer andar a frota arcaica de Havana. Com Maduro e a grave crise que assolou esse País, essa teta secou também. Não deu outra: Cuba teve de eleger um novo presidente para tentar mudar um pouco e atrair investimentos.

A Assembleia Nacional do Partidão Cubano – o PCC – confirmou nesta quarta-feira, com 99,8% dos votos, a eleição de um novo presidente de fora do círculo familiar castrista. Foi eleito Miguel Díaz-Canel. A Assembleia Nacional do Partido Comunista de Cuba – PCC – tem 604 deputados e 603 referendaram a decisão de Raúl Castro, que indicou o novo presidente: Miguel Díaz-Canel. Raúl Castro foi confirmado Secretário Geral do Partido Comunista Cubano, até 2021.

cuba

maxresdefault

ANEXO

Veja o que diz a grande mídia:

HAVANA – A Assembleia Nacional de Cuba abriu nesta quarta-feira a sessão parlamentar que elegerá o sucessor de Raúl Castro. O indicado deverá ser o número dois do governo, Miguel Díaz-Canel, que se tornará o primeiro dirigente da ilha que não faz parte da “geração da Sierra Maestra”, como são chamados os participantes do movimento guerrilheiro vitorioso em 1º de janeiro de 1959. Díaz-Canel, um engenheiro de 57 anos, nasceu depois da Revolução.
Díaz-Canel e Castro chegaram juntos à sessão, transmitida pela TV estatal, sob aplausos dos 605 deputados, que foram eleitos em março e tomarão posse hoje. Segundo a agenda divulgada, será escolhida a mesa diretora da Assembleia, e em seguida serão eleitos em votação secreta os novos 31 integrantes do Conselho de Estado, cujo presidente é o chefe de Estado. O nome do novo presidente de Cuba, entretanto, só será anunciado oficialmente amanhã, dia 19.

 


79 Visualizações

Nenhum banner para exibir

Coluna Eron J. Silva



-